sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Obra do metrô provoca novas mudanças no Leblon

29/10/2015 - O Globo

Trecho da Ataulfo de Paiva junto à Bartolomeu Mitre terá trânsito interditado sábado
  
POR MARCO GRILLO 

Acesso à Ataulfo de Paiva será interrompido na esquina com a Bartolomeu Mitre - Márcio Alves / Agência O Globo (26/02/2013)

RIO — As obras da Linha 4 do metrô, que vai ligar Ipanema à Barra da Tijuca, vão provocar mais mudanças no trânsito do Leblon, bairro que mais sofreu interdições de tráfego desde o início das intervenções na cidade, em 2010. A partir do primeiro minuto deste sábado, será fechado o acesso à Avenida Ataulfo de Paiva na esquina com a Avenida Bartolomeu Mitre. A previsão do Consórcio Linha 4 Sul, responsável pelo empreendimento no trecho entre Ipanema e Gávea, é que a interrupção dure dez dias.

De acordo com os responsáveis pela obra, a intervenção é necessária para a instalação de um canteiro que dará apoio à chegada do tatuzão, máquina que faz as escavações. Após passar pela futura estação Jardim de Alah, aonde chegou em julho, o equipamento está cavando o túnel em direção à Praça Antero de Quental, onde também haverá uma estação.

O motorista que estiver na Bartolomeu Mitre e quiser pegar a Ataulfo de Paiva terá que virar à direita na Rua Humberto de Campos, novamente à direita na Rua João Lira e depois à esquerda na Ataulfo de Paiva. Outra opção é seguir pela Humberto de Campos e entrar à direita na Rua José Linhares ou em qualquer via subsequente que dê mão em direção à Ataulfo de Paiva.

Já os ônibus que têm a Bartolomeu Mitre e a Ataulfo de Paiva no trajeto precisarão, obrigatoriamente, entrar na Humberto de Campos e, em seguida, na José Linhares. Segundo o consórcio, não haverá alteração nos pontos de ônibus.

NOVA ROTA
ACESSO À ATAULFO DE PAIVA FICARÁ INTERDITADO POR 10 DIAS

Fase 1 - 10 dias

Quem vier da Bartolomeu Mitre e quiser acessar a Ataulfo de Paiva poderá virar à direita na Humberto de Campos e virar à direita de novo na João Lira, na José Linhares, ou em qualquer rua subsequente. Os ônibus farão este mesmo trajeto, mas utilizarão a José Linhares
Trânsito na Ataulfo de Paiva será fechado na esquina com Bartolomeu Mitre

A circulação de veículos na Ataulfo de Paiva, entre a Bartolomeu Mitre e a João Lira, será restrito aos carros de moradores e aos veículos de entrega

PRAÇA
ANTERO
DE QUENTAL

Fase 2 - 10 dias

O acesso à Ataulfo de Paiva é liberado, mas a Bartolomeu Mitre fica funcionando com duas faixas de rolamento

Interdição de duas faixas da Av. Bartolomeu Mitre junto à Praça Antero de Quental
Fonte: Consórcio Linha 4 Sul

CIRCULAÇÃO RESTRITA

No trecho próximo à Ataulfo de Paiva, a Bartolomeu Mitre terá pistas fechadas para a instalação do canteiro de obras e funcionará com duas faixas de rolamento. A ciclovia do local será mantida.

Apenas moradores e veículos de entregas poderão circular no perímetro da Ataulfo de Paiva entre a Bartolomeu Mitre e a João Lira. Para ter acesso a esse quarteirão, quem estiver na Bartolomeu Mitre deverá virar à direita na Humberto de Campos, à direita na João Lira e novamente à direita na Ataulfo de Paiva, na contramão do sentido normal da via. O consórcio garante que os acessos às garagens dos prédios serão preservados. Ainda de acordo com os responsáveis pela obra, o procedimento para entrar nessa área será simples, e os moradores não precisarão apresentar comprovantes de residência. Agentes de trânsito estarão em toda a região afetada pelas mudanças para orientar os motoristas.

Após os dez dias previstos, o acesso à Ataulfo de Paiva deverá ser liberado. A Bartolomeu Mitre, no entanto, permanecerá com duas faixas de rolamento por mais dez dias. O consórcio destaca que o plano de tráfego e todas as alterações foram decididos em conjunto com a CET-Rio.

O Leblon vai receber duas (Jardim de Alah e Antero de Quental) das seis estações em construção para a Linha 4 do metrô. As outras estações são Praça Nossa Senhora da Paz (em Ipanema), Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico (na Barra da Tijuca).

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/obra-do-metro-provoca-novas-mudancas-no-leblon-17917008#ixzz3q3BnHULh 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Governo estadual começa a discutir metrô na Freguesia

Reunião entre moradores e Secretaria Estadual de Transportes está marcada para sexta
  
POR LEANDRO SAUDINO 

21/10/2015 - O Globo

Rabicho. Prolongamento de 350 metros facilita as obras de expansão da Linha 4 até o Alvorada e o Recreio - Pedro Teixeira / Pedro Teixeira/8-7-2015

RIO - O coordenador de projetos da Secretaria de Estado de Transportes (Setrans), Felipe Michel, assegurou, em reunião promovida pela Associação dos Moradores e Amigos do Tijucamar e Jardim Oceânico (Amar), no último dia 14, que o governo do estado já faz planos para o metrô chegar à Freguesia, um pleito de moradores de Jacarepaguá. O tema será discutido pela primeira vez em uma reunião marcada para quinta-feira, dia 22, às 19h, no Clube Olímpico, na Estrada dos Três Rios.

Breu. Segundo usuários, a iluminação deficiente aumenta o risco de acidentes e facilita a ação de bandidos

— Eu já estou sonhando com a chegada do metrô à Freguesia, até porque a região não foi beneficiada com a chegada de um BRT. O secretário (estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório) fará essa reunião com representantes da Associação Comercial e Industrial de Jacarepaguá (Acija) e moradores para começar a conversar sobre a melhor forma de chegar à Freguesia, se pelo Terminal Alvorada ou pela Tijuca, e sobre as estações, além de estruturar um plano diretor — explica.

Na opinião de Felipe Michel, a melhor opção para o metrô chegar à Freguesia seria pela Barra. Mas, para tanto, lembra, é preciso primeiro prolongar a Linha 4 até o Terminal Alvorada, pelo rabicho já existente na estação Jardim Oceânico, de cerca de 350 metros, e depois até o Recreio, o que já é dado pela pasta como certo. No momento, segundo Michel, o projeto está adiantado, e o governo do estado busca verbas federais para executá-lo.

Mas, para o engenheiro Fernando Mac Dowell, morador da Barra e especialista em transportes que esteve presente à reunião da Amar, o estado deveria pensar em reorganizar o sistema antes de expandir a Linha 4.

— Temos que resolver vários problemas no metrô antes de pensar em expansão, porque a Linha 4 já nascerá saturada. No Jardim Oceânico, deverão descer cerca de dez mil passageiros por hora. Isso em um sistema que usa composições de seis carros em vez de oito, como foi planejado, e deixa passageiros nas plataformas esperando. Há um efeito dominó que culminará em intervalos ainda mais irregulares (caso nada mude) do que já são hoje — afirma.

Edison Parente, presidente da Acija, diz que a associação apoia qualquer iniciativa que facilite o trânsito de pessoas no bairro.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/bairros/governo-estadual-comeca-discutir-metro-na-freguesia-17830621#ixzz3pEhbJxS4 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Linha 4 do metrô RJ: construção de pilares da ponte está em fase final

21/10/2015 - Portal R7

A construção dos pilares da ponte estaiada, com 72 m de altura, deve terminar esta semana com a concretagem dos últimos dois metros. A ponte suspensa por cabos tem 320m de extensão e é a única parte não subterrânea da linha 4 do metrô, passando por cima do canal da Lagoa da Barra da Tijuca. As estruturas fixam os estais, conjuntos de cabos de aço que vão ligar os túneis escavados em rocha do Morro do Focinho do Cavalo até a Estação Jardim Oceânico.

A ponte está na última fase que é a construção do trecho suspenso e elevado, sobre o canal da Barra da Tijuca. Faltam apena 66 metros para a conclusão.

Nesta terça-feira (20), o governador Luiz Fernando Pezão realizou uma visita técnica à ponte estaiada e à Estação Jardim Oceânico da Linha 4 do Metrô (Barra da Tijuca – Ipanema). Pezão afirmou que pretende manter os empregos gerados pela construção.

- Estamos trabalhando para preservar os mais de nove mil empregos desta obra. Quero dar continuidade a esses empregos com os projetos para a construção das Linhas 2 e 3 do Metrô.

O secretário de Estado de Transportes, Carlos Roberto Osorio, disse que a intenção é cumprir a promessa de iniciar o funcionamento em junho de 2016.

- A gente reitera e ratifica que as obras estão vigorosamente dentro do prazo com todos os grandes marcos sendo alcançados e isso nos dá a segurança de reafirmar à população do Rio de Janeiro o nosso compromisso de colocar os trens circulando em teste a partir do dia 1º de junho do ano que vem.

Após a conclusão dessa fase, começam os acabamentos, a instalação de cabos elétricos, posicionamento de trilhos e concretagem da via permanente, por onde os trens vão passar. Em novembro, as rampas de acesso começam a ganhar trilhos. Elas já estão finalizadas e conectadas à Estação Jardim Oceânico. Toda a ponte, assim como os pilares, está recebendo um tratamento especial antipichação.

Estrutura inovadora

Esta é a primeira vez na América Latina em que pilares inclinados de uma ponte estaiada são construídos usando um sistema de pistões hidráulicos, que elevam a estrutura de apoio conforme a necessidade da obra. Na estrutura do metrô no Rio, a ponte é a primeira estaiada e único trecho onde os trens da Linha 4 do Metrô poderão ser vistos fora do subterrâneo. A previsão é de que, até novembro, a estrutura de duas vias estejam prontas. Uma para o sentido Barra da Tijuca e outra para o, Zona Sul.

Ponte colorida no Outubro Rosa

A ponte estará colorida de rosa neste mês em apoio ao Outubro Rosa. A campanha mundial tem o objetivo de conscientizar sobre a importância do cuidado e prevenção do câncer de mama. Quando estiver em funcionamento, ela terá iluminação cenográfica feita pelo artista das luzes Peter Gasper.

Estação Jardim Oceânico

Estão sendo colocados os trilhos na estação Jardim Oceânico. Além disso, as escadas fixas estão construídas e as escadas rolantes, instaladas. As bilheterias já estão prontas, inclusive com pastilhas nas paredes. O piso de granito foi assentado e o acesso de passageiros da Rua Fernando de Matos, esquina com a Avenida Armando Lombardi, sentido Zona Sul, recebe os últimos acabamentos. No entanto, o acesso da Armando Lombardi, sentido Recreio, ainda está em construção. Na próxima semana, começam a ser colocados os elementos decorativos e definitivos: placas de cerâmicas coloridas que revestirão as paredes.

Linha vai transportar mais de 300 mil pessoas por dia

A Linha 4 do Metrô do Rio vai transportar mais de 300 mil pessoas por dia. A meta é tirar cerca de 2.000 veículos por hora/pico das ruas. Ao todo, serão seis estações (Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico) e 16 quilômetros de extensão. O tamanho do projeto corresponde a metade da malha metroviária do Estado e é o maior o maior legado em transporte que os moradores ganharão com os Jogos Olímpicos. Quando a linha entrar em funcionamento, será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e da Barra ao Centro em 34 minutos.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Linha 4 do Metrô: começam melhorias no sistema de drenagem em São Conrado

14/10/2015 - Jornal do Brasil

Com a reta final das obras civis da Estação São Conrado, a Linha 4 do Metrô inicia nesta quinta-feira (15/10) serviços de melhorias no sistema de drenagem e reurbanização do entorno dos canteiros de obras no bairro. O Consórcio Construtor Rio Barra, responsável pelas intervenções na região, fará - como contrapartida à comunidade - a substituição das antigas galerias de águas pluviais por novas. Para reurbanização, estão contempladas a readequação de pistas e calçadas, a recuperação de jardineiras e novo projeto de iluminação pública. As atividades estão previstas para serem concluídas no primeiro trimestre de 2016. 

A primeira e principal fase das intervenções se dará na Estrada da Gávea, na altura do supermercado Extra, onde a pista da direita (sentido do trânsito) será ocupada para a realização dos serviços de drenagem. Duas faixas de rolamento permanecerão liberadas ao tráfego. A circulação de pedestres, as vagas de estacionamento rotativo e o acesso às garagens dos edifícios serão preservados.

Nas fases seguintes, o consórcio seguirá com os serviços pontuais de drenagem e reurbanização ao longo do lado esquerdo (sentido do trânsito) da Estrada da Gávea, nas avenidas Niemeyer e Aquarela do Brasil e na Rua General Olímpio Mourão Filho (veja mapa).

As atividades serão realizadas nos períodos diurno e noturno, sempre com o compromisso de minimizar os impactos para comunidade do entorno e o trânsito local. Não haverá fechamento total de nenhuma via. Conforme os serviços forem sendo concluídos, as áreas das intervenções serão liberadas.

As alterações viárias foram definidas em conjunto com a CET-Rio. A sinalização será reforçada na região e agentes de trânsito vão orientar a população.

 A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro é uma obra do Governo do Estado do Rio de Janeiro e vai transportar mais de 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Serão seis estações (Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico) e 16 quilômetros de extensão. O projeto representa metade da malha metroviária existente no Estado e é o maior legado em transporte que o Rio de Janeiro e seus aproximadamente 16 milhões de habitantes ganharão com os Jogos Olímpicos. Com a Linha 4, será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos.

Empréstimo para metrô do Rio é aprovado na Alerj

25/09/2015 - EBC

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou o empréstimo solicitado pelo governo do Rio no valor de R$ 444,8 milhões para complementar as obras da linha quatro do metrô. O valor contratado no Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi liberado na quarta-feira (23) em discussão única entre os parlamentares.

A soma da quantia liberada com outros dois empréstimos autorizados pela Alerj com a mesma finalidade chega a R$ 5 bilhões.

domingo, 11 de outubro de 2015

Mais dois trens da Linha 4 do metrô entram em operação neste fim de semana

08/10/2015 - Manchete Online / MetroRio

O nono e o décimo dos 15 trens da Linha 4 do metrô entram em operação neste sábado (10) e domingo (11). De acordo com a concessionária MetrôRio, cinco novas composições ainda seguem em fase de testes e deverão circular até o fim do ano. O projeto é o mesmo das 19 composições que operam no MetrôRio desde 2012.

Montados na China, as composições possuem seis carros, capacidade de 1.800 pessoas, ar-condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno.

Agora, durante o horário de maior movimento do sistema, quando o metrô opera com a frota completa de trens, os passageiros das Linhas 1 e 2 contam com trens mais modernos na grade operacional.

Em paralelo, a concessionária segue com o projeto de revitalização dos primeiros trens do metrô. Três composições, que já passaram por revisão nos sistemas elétrico, de ar-condicionado, de portas e de propulsões, além de manutenções preventivas e corretivas e processos de pintura, já estão operando no sistema. A quarta composição revitalizada entrará em operação também neste final de semana.

O projeto, orçado em R$ 6 milhões, tem o objetivo, segundo o MetrôRio, de melhorar a performance dos trens antigos e aumentar o conforto dos passageiros.

MetrôRio: mais dois trens da Linha 4 entram em operação

Neste final de semana, sábado (10/10) e domingo (11/10), entram em operação o nono e o décimo dos 15 trens da Linha 4. Montados na China, as composições possuem seis carros, capacidade para 1.800 pessoas, ar-condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno. Cinco novas composições ainda seguem em fase de testes e deverão circular até o fim do ano. O projeto é o mesmo das 19 composições que operam no MetrôRio desde 2012.

Agora, durante o horário de maior movimento no sistema, quando o MetrôRio opera com a frota completa de trens, os passageiros das Linhas 1 e 2 contam com os trens mais modernos, montados na China, na grade operacional.

Em paralelo, o MetrôRio segue com o projeto de revitalização dos primeiros trens do metrô. Três composições, que já passaram por revisão nos sistemas elétrico, de ar-condicionado, de portas e de propulsões, além de manutenções preventivas e corretivas e processos de pintura, já estão operando no sistema. A quarta composição revitalizada entrará em operação também este final de semana. O projeto, orçado em R$ 6 milhões, tem o objetivo de melhorar a performance dos trens antigos e aumentar o conforto dos passageiros.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Governador do Rio de Janeiro propõe parceria à CSN em metrô

01/10/2015 - Época Negócios

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, esteve com o presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, e com o presidente da ferrovia Transnordestina (do grupo CSN), Ciro Gomes, para propor uma parceria inusitada: a CSN forneceria aço e cimento para obras da linha 3 do metrô e se tornaria "sócia" da empreitada, em vez de pagar uma dívida antiga com o governo fluminense de forma tradicional.

Pezão justifica a proposta em razão da escassez de dinheiro do governo para a realização de investimentos e da dificuldade de o estado receber dívidas antigas, como a da CSN. Aço e cimento são insumos que a CSN produz normalmente.

Pezão afirmou que Ciro Gomes adorou sua ideia. Disse, ainda, que o Banco Mundial poderia financiar o projeto. "Nesse momento de crise, temos de buscar alternativas. É o que temos feito", afirmou.

A linha 3 do metrô ligará Niterói a São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro.