sexta-feira, 26 de junho de 2015

Invepar registra queda de 2,5% no tráfego de veículos em maio

26/06/2015 - Valor Econômico

O tráfego consolidado apurado pela Invepar caiu 2,5% em maio na comparação com o mesmo período de 2014, para 19,735 milhões de veículos equivalentes pagantes. Houve queda de 1% no tráfego de veículos leves, para 11,281 milhões, e retração de 4,4% no tráfego de veículos pesados, para 8,453 milhões.

Segundo a companhia, a queda refletiu o efeito da economia do país e das fortes chuvas ocorridas na região Nordeste. 

No acumulado nos cinco primeiros meses do ano, houve queda de 0,9% no tráfego total, para 98,523 milhões de veículos equivalentes pagantes. O tráfego de veículos leves cresceu 0,5%, enquanto o de pesados caiu 2,7%.

O número de passageiros transportados no MetrôRio caiu 0,8% em maio, para 19,313 milhões. Segundo a Invepar, o desempenho foi reflexo do menor número de dias úteis equivalentes em maio desde ano na comparação com o anterior. No acumulado entre janeiro e maio, o número de passageiros cresceu 4,7%, para 94,961 milhões.

O tráfego de passageiros no Aeroporto de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, houve queda de 1,1% em maio, para 3,094 milhões de passageiros. No acumulado no ano, houve alta de 0,3%, para 16,069 milhões.

Houve alta de 2% no transporte de passageiros em voos internacionais em maio, enquanto o transporte em voos domésticos caiu 2,8%. A movimentação de cargas no aeroporto caiu 26,1%, para 23,690 mil toneladas, refletindo a atividade econômica do país, o câmbio, e a migração de parte da carga da TAM, que era movimentada no terminal e agora é movimentada em um novo galpão próprio da companhia.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Governo volta atrás e decide implantar Linha 3 do metrô entre Niterói e São Gonçalo

BRT entre os dois municípios foi descartado. Estado aposta em parceria com a iniciativa privada para tirar projeto do papel

POR GISELLE OUCHANA

25/06/2015 - O Globo

Ilustração mostra como ficará a Linha 3 do metrô - Divulgação

RIO — O governo estadual voltou atrás e informou que Niterói e São Gonçalo deverão mesmo ser interligadas pela chamada Linha 3 do metrô. Em março, o Palácio Guanabara havia anunciado uma modificação no projeto, que passaria a fazer parte do sistema de ônibus BRT. Em uma audiência pública realizada nesta quinta-feira na Comissão de Economia, Indústria e Comércio da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o secretário de Desenvolvimento, Marco Capute, informou que um estudo, que será feito por consultorias independentes, deverá estar pronto até meados do ano que vem.

Segundo Capute, estão descartadas as possibilidades de adoção de BRT ou Veículos Leve sobre Trilhos (VLT) para ligar as duas cidades. Apesar de ter um custo mais alto — R$ 3,9 bilhões —, o metrô, de acordo com o secretário, é o que oferece maior capacidade de transporte de passageiros para a região. Isso foi considerado um fator determinante para a escolha.

A Linha 3 deverá ter 22 quilômetros de extensão, mas a definição do trajeto e da localização das estações depende da conclusão do estudo de engenharia. Quando esse documento for entregue, o governo estadual planeja lançar uma parceria público-privada (PPP) para a implantação do sistema.

— Vamos alavancar o projeto por meio de uma PPP, e buscaremos recursos com o governo federal. Já estamos discutindo a Linha 3 com várias empresas interessadas em fazer o estudo de engenharia. Quanto mais empresas se interessarem pelo projeto, mais parcerias conseguiremos estabelecer — disse o secretário.

Também não está definido se a Linha 3 será construída na superfície ou seguirá por túneis subterrâneos.

PPP, SÓ COM AVAL DA ALERJ

Na quarta-feira, a Alerj estabeleceu condicionantes para a aprovação de um projeto do Executivo que abre caminho para parcerias entre empresas e o estado. De acordo com o texto, que recebeu 30 emendas, cada projeto precisará passar pelo crivo dos deputados. As PPPs são encaradas pelo governador Luiz Fernando Pezão como uma solução para o custeio de várias obras.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/governo-volta-atras-decide-implantar-linha-3-do-metro-entre-niteroi-sao-goncalo-16560045#ixzz3e85PNEOm 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Obra de estação do metrô na Barra entra na reta final

19/06/2015 - O Globo

Quem passa pela Avenida Armando Lombardi, na Barra, ainda se depara com o enorme canteiro de obras da Linha 4 do metrô. Mas, no subsolo, o cenário começa a mudar. Prevista para entrar em operação no primeiro semestre de 2016, a Estação Jardim Oceânico — uma das seis da ligação Barra- Ipanema — está em fase de acabamento. Um painel com animais silvestres da região já foi instalado num dos acessos.

O grande desenho provisório é um adesivo, que vai ser substituído pelo painel de azulejos definitivo. A criação é do artista Urbano Iglesias, na qual são retratados animais como jacaré-de- papoamarelo, biguá, gato- do- mato, jararaca, coruja- buraqueira e gavião- garijó. A previsão é de que a estação receba cerca de 91 mil pessoas por dia.

Do lado de fora, outra obra chama a atenção. Os dois pilones da ponte estaiada — estruturas de concreto que vão fixar os cabos de aço ( os chamados estais) — alcançaram 36 metros de altura, a metade do tamanho que terão ao final da construção. A ponte está sendo erguida sobre a Lagoa da Tijuca e será o único ponto onde os trens da Linha 4 do metrô poderão ser vistos fora do subterrâneo.

Com o avanço da obra, a previsão é que os cabos de aço ( 52 conjuntos no total) comecem a ser instalados no mês que vem. O trecho suspenso terá 320 metros de extensão. Com 13,9 metros de largura, a ponte terá duas vias: uma para as composições que seguirão no sentido Barra, e outra para os trens em direção à Zona Sul.

A Linha 4 vai transportar, a partir do ano que vem, mais de 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas da cidade cerca de 2 mil veículos por hora/ pico. Serão seis estações em, aproximadamente, 16 quilômetros de extensão.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Governador Pezão viaja no primeiro trem da linha 4 do Metrô

11/06/2015 - Metrô Rio

nome da imagem
As 15 novas composições entram em operação ainda este ano

O Governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, o Secretário Estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, o presidente da Concessionária Rio Barra, Maurício Rizzo, e o Presidente do MetrôRio, Flávio Almada, viajaram, nesta quarta-feira (10/06), em um dos 15 novos trens que irão circular no trecho em construção entre Barra da Tijuca e Ipanema. Todas as novas composições, fabricadas na China, chegarão ao Rio de Janeiro até setembro e a previsão é que entrem em operação até dezembro deste ano.

"A Linha 4 do Metrô é a maior obra de infraestrutura da América Latina e o mais importante legado das Olimpíadas que estamos deixando para a população. Os trens utilizados aqui reúnem o que há de melhor em tecnologia de todo o mundo em matéria de mobilidade urbana", avaliou o governador Luiz Fernando Pezão, durante a viagem.

Doze trens já chegaram ao Rio, sendo que três estão em operação, circulando preferencialmente na Linha 1. As novas composições possuem seis carros com capacidade para 1.800 pessoas, ar-condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno. O projeto é o mesmo dos trens que operam no MetrôRio desde 2012.
"A Linha 4 vai completar o anel de transporte de alta capacidade da cidade do Rio, conectando as zonas Oeste e Sul ao Centro. Sem dúvida, este é um avanço importante na mobilidade urbana do Rio de Janeiro, garantindo mais conforto e comodidade no deslocamento de nossos cidadãos", disse o secretário de Estado de Transportes Carlos Roberto Osorio.

A Linha 4 do metrô transportará mais de 300 mil passageiros por dia. Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e cerca de 16 quilômetros de extensão.

"A chegada dos 15 novos trens confirma o conceito que pregamos, que é ser referência em mobilidade urbana. Com mais esta aquisição aumentamos a oferta diária de lugares, conseguimos manter o menor intervalo possível no sistema e modernizamos a frota de trens", disse o presidente do MetrôRio, Flávio Almada.
 
Metrô em expansão

Desde 2009, quando a Invepar assumiu a gestão do MetrôRio, já foram investidos R$ 1,15 bilhão no sistema. Entre as melhorias estão a compra dos 19 trens que começaram a operar entre 2012 e 2013; a construção das estações Cidade Nova (inaugurada em 2010), com a conexão direta Pavuna-Botafogo, e Uruguai (inaugurada em 2014); a modernização do Centro de Controle Operacional e dos sistemas de segurança e sinalização; a implantação de acessibilidade total para pessoas portadoras de necessidade especiais em todas as estações; e a construção e ampliação de novas subestações de energia. Para a Linha 4, a Invepar investiu R$ 1,1 bilhão.

Com a chegada dos 15 novos trens, o MetrôRio passará a circular com 64 composições, um incremento de mais de 100% no número de trens que operam no sistema em comparação ao ano de 2009 (quando 30 trens estavam na operação). Atualmente, a Concessionária tem capacidade para transportar 1,2 milhão de passageiros. Esse número chegará a 1,7 milhão com a chegada dos novos trens e a ampliação da linha.
Hoje, o MetrôRio tem 42 km de extensão, 36 estações e transporta cerca de 830 mil passageiros por dia útil. O cenário para 2016, ano de inauguração da Linha 4, é que a rede seja ampliada para 57 km, 42 estações e receba, gradativamente, 300 mil novos passageiros/dia. 

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Pezão diz que estado não tem recursos para fazer Linha 3 do Metrô

11/06/2015 - G1

O governador Luiz Fernando Pezão voltou a afirmar, nesta quarta-feira (10), que o Estado do Rio de Janeiro não possui recursos para a construção da Linha Três do Metrô, que ligaria as cidades de Niterói e São Gonçalo. O RJTV mostrou que a falta de recursos também atinge as obras de extensão da Linha 4, que levaria o Metrô até o Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste.

O projeto da Linha 3 poderia beneficiar 250 mil pessoas por dia, mas ficou fora do novo pacote de INVESTIMENTOS do governo federal. Durante a viagem inaugural do primeiro dos 15 novos trens, que farão parte da Linha 4 do metrô, ele afirmou que as obras só podem ser realizadas com FINANCIAMENTO federal.

"Nós só temos condições de fazer a Linha 3 se tiver FINANCIAMENTO do Governo Federal. O Governo Federal colocou R$ 1,5 bilhão nessa linha, só que atualmente estes recursos não estão disponíveis. Eu quero muito fazer o metrô. Eu sei que nós vamos colocar o BRT lá, mas em dois ou três anos, vai estar saturado. Se tiver dinheiro, eu quero fazer o metrô", disse Pezão.

A Linha 3 do metrô teria 22 quilômetros e foi orçada em R$ 3,9 bilhões. O projeto do BRT na região, que custaria R$ 1,7 bilhão, ou seja, 40% mais barato, está sendo analisado.

As duas linhas do BRT na região totalizariam 46 quilômetros de extensão. A primeira delas seguiria o mesmo percurso da Linha Três do metrô, ligando o centro de Niterói à Guaxindiba, em São Gonçalo. Já a segunda linha do BRT também sairia do centro de Niterói, passaria pela Alameda São Boaventura e pela RJ-104. Em Tribobó, haveria um ponto de integração com a RJ-106, beneficiando os moradores de Maricá. O BRT seguiria pela RJ-104, passando por Alcântara até Manilha, em Itaboraí.

Expansão da Linha 2 é mais provável

O governo do estado também afirma que não possui dinheiro para levar os trens até o Recreio dos Bandeirantes. O projeto que tem mais chances de virar realidade é a expansão da Linha 2, ligando Estácio, Carioca e Praça XV, que teria mais facilidade de financiamento da iniciativa privada através de parcerias, como a concessionária do próprio metrô, tem interesse em tocar grande parte da obra por conta do custo-benefício. O trecho é pequeno, com 3,7 quilômetros e mais de 400 mil pessoas poderiam aproveitar o transporte diariamente.

O governador e o secretário Estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, participaram da viagem inaugural de um dos trens da Linha 4, que vai ligar Ipanema à Barra e deve ser inaugurada daqui a um ano. Por enquanto, a composição nova vai circular pelos trajetos em funcionamento.

As autoridades também visitaram um dos canteiros de obra da Linha 4. O túnel Barra-Gávea já foi aberto, mas a colocação dos trilhos ainda não terminou. Já o trecho entre os bairros de Ipanema e Gávea ganha forma, após sucessivos atrasos nas obras.

"O Tatuzão já está chegando ao Jardim de Alah. É o que vai permitir que ele entre na estação Jardim de Alah antecipadamente. Originalmente, no cronograma, a chegada à estação Jardim de Alah estava prevista para segunda quinzena do mês de agosto. Só que isso, na verdade, vai acontecer durante o mês de julho", afirmou Carlos Roberto Osório.

Das seis estações da Linha 4 do metrô, quatro estão 100% escavadas: Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca; São Conrado; Antero de Quental, no Leblon; e Nossa Senhora da Paz, em Ipanema. A estação da Gávea só ficará pronta no fim de 2016, depois das Olimpíadas.

A estação General Osório, em Ipanema, está sendo duplicada para atender a Linha 4. Os passageiros poderão entrar e sair não só por Ipanema. Haverá mais uma opção pela Lagoa. O outro acesso à estação ficará perto do Corte do Cantagalo.

Obra da Linha 4 do Metrô adianta um mês no cronograma

10/06/2015 - Jornal do Brasil

Após fazer a viagem inaugural do primeiro trem que vai operar na Linha 4 do Metrô (Barra da Tijuca - Ipanema), o governador Luiz Fernando Pezão anunciou que a chegada do Tunnel Boring Machine, mais conhecido com Tatuzão, ao Jardim de Alah será antecipada em um mês. Prevista inicialmente para a segunda quinzena de agosto, a chegada do equipamento deve acontecer em julho. 

Pezão também afirmou que, com a entrada em circulação dos 15 novos trens chineses, 30 composições antigas devem ser revitalizadas. De acordo com o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio, o Governo do Estado está negociando a reforma com a concessionária que administra as Linhas 1 e 2.

"Hoje é um dia muito importante para a mobilidade no Rio de Janeiro. Dos 15 trens que compramos, 12 já chegaram. Estamos empenhados nas obras que vão melhorar a mobilidade da população fluminense e queremos tirá-las do papel. Quando entregarmos a Linha 4, queremos já ter outra obra em andamento, até para poder empregar esses mais de 9 mil trabalhadores que estão aqui. Nesse momento, a mais viável é o metrô Estácio-Carioca-Praça 15. Para a Linha 3, que vai ligar Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, dependemos de recursos do Governo Federal e estamos aguardando um posicionamento sobre isso", disse o governador.

Pezão também visitou as obras de expansão da Estação General Osório, onde será feita a conexão entre as Linhas 1 e 4 do metrô. A estação, que está sendo duplicada, vai ganhar um novo acesso, que será feito pela Lagoa.

"Nossa previsão é que todos os 15 novos trens cheguem até setembro e sejam testados nas Linhas 1 e 2 até abril do ano que vem. Em julho de 2016, com a inauguração da Linha 4, começa a operação comercial. Essas composições representam o que há de mais moderno na tecnologia metroviária no mundo. Estamos negociando com a concessionária que opera as Linhas 1 e 2 uma reforma completa na frota e esperamos que o padrão de trem da Linha 4 se estenda a toda a rede", afirmou o secretário.

Das seis estações da Linha 4 do Metrô, quatro estão totalmente escavadas e em fase final de construção: Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, São Conrado, Antero de Quental, no Leblon, e Nossa Senhora da Paz, em Ipanema. Todas ganharam piso de granito nos acessos de passageiros e pastilhas nas paredes e cobertura de vidro nas entradas e painéis de azulejos decorativos. Na Estação Nossa Senhora da Paz, as escadas rolantes já começaram a ser instaladas.

Dos 12 novos trens que já estão no Rio, três já estão em operação, circulando preferencialmente na Linha 1. As composições possuem seis carros com capacidade para 1.800 pessoas, ar-condicionado, passagem interna entre os carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e CÂMERAS DE MONITORAMENTO interno. A previsão é que a Linha 4, que terá cerca de 16 km de extensão, transporte mais de 300 mil passageiros por dia e retire das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico.

Tatuzão deverá chegar ao Jardim de Alah em julho

11/06/2015 - O Globo

O tatuzão empregado nas obras da linha 4 do metrô (Ipanema-Barra) deverá chegar à estação Jardim de Alah em julho, um mês antes do prazo previsto, segundo afirmou ontem o governador Luiz Fernando Pezão. O anúncio foi feito durante a estreia do primeiro dos 15 novos trens chineses que serão utilizados no trecho Ipanema-Barra.

Segundo o Secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, a antecipação do prazo da obra só foi possível porque a velocidade empregada no equipamento tem sido maior do que o esperado: de 15 a 18 metros de perfuração por dia, enquanto técnicos da obra esperavam uma média de 12 metros/ dia.

De acordo com o consórcio da linha 4 do metrô, a máquina já escavou 1,8 quilômetro desde a Estação General Osório até o subsolo da Rua Visconde de Pirajá, entre as ruas Garcia D'Ávila e Aníbal de Mendonça, em Ipanema. O trem inaugurado ontem por Pezão reforçará a frota das linhas 1 e 2 do metrô.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Trens da Linha 4 começam testes com passageiros

10/06/2015 -  O Globo

Enquanto aguardam a inauguração do trecho Ipanema- Barra do metrô, prevista para o primeiro semestre do ano que vem, os novos trens da Linha 4 deverão reforçar a frota das linhas 1 e 2. A partir de hoje, quando haverá a viagem inaugural com participação do governador Luiz Fernando Pezão, os 15 trens serão gradativamente testados no sistema atual.

O secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, afirmou que os 30 trens antigos do metrô — que estão em operação desde a década de 1980 — precisam ser substituídos ou reformados. Negociações com a concessionária estão em andamento e, em até quatro meses, uma solução deverá ser apresentada.

— São trens muito bons, mas que já tiveram uma vida útil longa. Uma coisa é certa: não podemos continuar com essa frota de 30 trens como está. Investimentos vão ter de ser feitos — disse Osorio.

Ainda de acordo com o secretário, o uso desses novos trens nas linhas 1 e 2 vai facilitar a renovação dos antigos:

— Isso vai proporcionar uma melhoria imediata, dará folga ao sistema e vai permitir que a concessionária faça uma manutenção mais apurada da frota antiga.

Atualmente, as composições antigas representam 61% da frota de 49 trens. Em 2012, 19 trens chineses foram adquiridas pela concessionária Metrô Rio, por R$ 320 milhões. Quando os novos 15 veículos da Linha 4 entrarem em circulação, a frota vai aumentar 30% e a proporção de carros antigos vai cair para pouco menos da metade ( 47%).

Nas últimas três madrugadas, 18 vagões importados da China foram transportados da Zona Portuária até a entrada da Metrô Rio, na Avenida Presidente Vargas, no Centro. Dos 15 trens ( cada um com seis vagões) adquiridos para a Linha 4 do metrô, 12 já estão no Rio. Os três veículos restantes desembarcarão na cidade até o fim do ano.

terça-feira, 9 de junho de 2015

Problema em composição afeta funcionamento da Linha 2 do metrô

Passageiros contam que ouviram estouros e que o funciomento chegou a parar por 15 minutos

09/06/2015- O Globo

RIO - Um problema em uma composição da Linha 2 do metrô, na estação Colégio, deixou os intervalos irregulares no início da manhã desta terça-feira. A informação chegou através da leitora Silvia Bemfica para o WhatsApp do Jornal O GLOBO (99999-9110), que relatou que passageiros se assustaram com estouros e a grande fumaça que se formou na estação. Uma outra passageira, que seguia no metrô, afirma que chegou a ficar parada por cerca de 15 minutos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/problema-em-composicao-afeta-funcionamento-da-linha-2-do-metro-1-16387820#ixzz3cZfHam12 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Governador do Rio realiza viagem inaugural de trem da Linha 4 do Metrô

08/06/2015 - Correio do Brasil

Construído na China, o trem possui seis carros e capacidade para 1.800 pessoas

Construído na China, o trem possui seis carros
Construído na China, o trem possui seis carros
créditos: Reprodução
 
O governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, o presidente da Concessionária Rio Barra, Maurício Rizzo, responsável pelas obras da Linha 4 do Metrô, e o presidente do MetrôRio, Flávio Almada, participam da viagem inaugural do primeiro dos 15 novos trens da Linha 4, na próxima quarta-feira.
 
Construído na China, o trem possui seis carros, capacidade para 1.800 pessoas, ar condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e CÂMERAS DE MONITORAMENTO interno.
 
Após a viagem, que será feita entre as estações Flamengo e Cantagalo, o governador segue para o canteiro de obras da Linha 4, localizado na Rua Gastão Bahiana, em Copacabana.
 
Neste canteiro, a comitiva vai visitar as obras de expansão da Estação General Osório, onde haverá conexão entre a Linha 1 e a Linha 4, a partir de 2016. Será possível observar o futuro túnel de acesso de passageiros pela Lagoa e também o início do túnel que está em construção, em direção à Barra da Tijuca.

sábado, 6 de junho de 2015

Metrô até o Recreio?

04/06/2015 - O Globo

O projeto de expansão do metrô até o Recreio, pleito dos moradores da Barra encampado pelo governador Pezão durante a campanha eleitoral, não tem data para sair do papel. Em audiência pública promovida pela Câmara Comunitária da Barra, na semana retrasada, o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, disse que 2015 seria um ano de contratação de projetos executivos para a mobilidade urbana, e não de novas obras. Acrescentou que, como o estado não poderia mais contrair empréstimos, por causa do limite de endividamento, a solução para desenvolver esses estudos seria buscar recursos junto ao Ministério das Cidades.

O vereador Carlo Caiado, porém, lembra que, no início do ano passado, a Alerj aprovou lei que permitia a contração de empréstimo de R$ 3,5 bilhões junto ao BNDES para a construção da Linha 4. No texto, havia uma emenda, articulada por ele e pelo deputado estadual Luiz Paulo Corrêa, que autorizava o estado a pedir mais dinheiro ao banco para projetos executivos de expansão da linha:

— Em 2014, não havia desculpa de dívidas; por isso pedi celeridade ao Pezão no sentido de ir ao BNDES.

Questionado, Osório diz que, embora a emenda autorize a tomada de novos empréstimos via BNDES, a L ei de Responsabilidade Fiscal o impede de fazê- lo.

— Estamos travados, batemos no teto — afirma Osório, que se reuniu com Gilberto Kassab há dois meses e diz que o ministro das Cidades "viu com bons olhos" o pedido de recursos para desenvolver o projeto da expansão. — Dinheiro para a obra, sabemos que eles não vão dar. Mas, em vez de ficar parados, queremos ao menos preparar o projeto.

Linha 4 do metrô: Estação Antero de Quental, no Leblon, está completamente escavada

Tatuzão deve chegar ao Jardim de Alah na primeira quinzena de agosto. Secretário afirma que obras estão adiantadas

POR O GLOBO

05/06/2015 - O Globo



Operários trabalham na futura estação do metrô no Leblon - Domingos Peixoto / Agência O Globo

RIO — A 20 metros de profundidade, cerca de 350 operários trabalham no subsolo da Praça Antero de Quental, no Leblon, em meio a nuvens de poeira e fumaça. A um ano e dois meses dos Jogos do Rio, o esforço dos trabalhadores toma forma: a estação de metrô está 100% escavada, assim como São Conrado, Jardim Oceânico e Nossa Senhora da Paz.

De acordo com o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, para terminar a fase de escavações nas estações da Linha 4, ainda faltam as obras do Jardim de Alah, prevista para ser concluída em julho, e da Gávea, cuja entrega está prevista para dezembro de 2016.

— A obra na Antero de Quental entrou na fase de acabamentos. O desafio agora é a chegada à estação Jardim de Alah, que tem uma característica mais complexa pelo volume de água e rocha. Ali, ainda estamos terminando as escavações e tivemos que fazer explosões em rocha — diz o secretário.


Estação fica a 20 metros de profundidade - Domingos Peixoto / Agência O Globo

Segundo Osorio, o tatuzão, empregado nas escavações dos trechos fora das estações, está operando no subsolo da Rua Visconde de Pirajá, entre as ruas Garcia D'Ávila e Aníbal de Mendonça, em Ipanema.

OSORIO: OBRA ESTÁ ADIANTADA

O secretário afirma que a obra está com o cronograma adiantado. De acordo com ele, o tatuzão chegará ao Jardim de Alah na primeira quinzena de agosto, duas semanas antes do prazo previsto.

— A Linha 4 está bem adiantada, porque o tatuzão está andando numa velocidade acima do previsto: de 15 a 18 metros por dia, enquanto o esperado pelo consórcio construtor era 12 metros por dia. Então, ganhamos 15 dias — disse Osorio.

Após chegar ao Jardim de Alah, o tatuzão percorrerá mais 630 metros até a Praça Antero de Quental. A chegada está prevista para a primeira quinzena de outubro. Os 750 metros entre a Antero de Quental e a Avenida Visconde de Albuquerque deverão ser concluídos até dezembro de 2015. Faltarão ainda 3 mil metros até a Gávea, que consumirão mais seis meses de escavações.

GÁVEA EM RITMO REDUZIDO

Na Visconde de Albuquerque, as duas frentes da Linha 4 vão se encontrar, permitindo que, a partir de junho de 2016, entre em operação o trecho de metrô Jardim Oceânico-Zona Sul. Na frente de obras da Barra, os trabalhos estão sendo feitos com métodos tradicionais de escavação para abertura das estações Jardim Oceânico e Gávea.


Ainda de acordo com Osorio, as obras da estação Gávea seguem em ritmo reduzido e os trabalhos lá só devem ser intensificados a partir do ano que vem, quando o tatuzão deve começar a perfuração de um túnel de três quilômetros para ligar a Avenida Visconde de Albuquerque à Gávea, única estação que não será inaugurada antes das Olimpíadas.

No canteiro de obras da Estação Antero de Quental, os trabalhos se concentram na construção das plataformas de embarque e desembarque e da bilheteria, além do acesso de passageiros pela Avenida Bartolomeu Mitre, onde o piso de granito foi assentado, e as pastilhas começaram a ser colocadas nas paredes.

Na atual fase de trabalhos, as lajes da cobertura e do acesso de passageiros também estão sendo concluídas. No acesso pela Rua General Urquiza, as escadas já foram construídas. A etapa seguinte é a construção do mezanino. Segundo o consórcio da Linha 4, foram utilizadas 5.700 toneladas de aço. Quanto ao concreto, foram consumidos 34 mil metros cúbicos, quase a metade do material utilizado na construção do Maracanã.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/linha-4-do-metro-estacao-antero-de-quental-no-leblon-esta-completamente-escavada-16361035#ixzz3cJ9fYIEA 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Estação Nossa Senhora da Paz ganha painel de azulejos com mais de 3 mil peças

02/06/2015 - Jornal do Brasil

A Secretaria de Estado de Transportes, com o Consórcio Linha 4 Sul, concluiu a construção de painel de azulejos, com 32 metros de comprimento por 3,80 metros de altura, da futura Estação Nossa Senhora da Paz, em Ipanema. O enorme quebra-cabeça de 3.059 peças, foi feito em apenas cinco dias por sete pedreiros de acabamento das obras da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro (Barra da Tijuca - Ipanema).

Um catálogo organizava as peças numeradas, separadas por caixa, para que os colaboradores pudessem aplicar cada azulejo de forma fiel ao desenho do arquiteto Luiz Neves. Os operários do Consórcio Linha 4 Sul, responsável neste trecho pela obra do Governo do Estado do Rio de Janeiro, finalizaram o painel na última terça-feira, dia 26. Os azulejos contam como a história de Ipanema e da Igreja Nossa Senhora da Paz se misturam. Professor da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o arquiteto restaurou a igreja há 24 anos.