sábado, 28 de fevereiro de 2015

Metrô sobe para R$ 3,70 no dia 2 de abril

A decisão foi tomada com base na variação da inflação

28/02/2015 -O Globo

Estação de metrô da Cinelândia - Lucas Tavares / Agência O Globo

RIO - A Agência Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro (Agetransp) autorizou na última quinta-feira, um reajuste de 3,98% para o Metrô do Rio. O aumento é válido a partir do dia 2 de abril, quando a tarifa passará de R$ 3,50 para R$ 3,70 (valor arredondado).

A decisão foi tomada com base na variação da inflação calculada pelo Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M), entre janeiro de 2014 e janeiro de 2015. Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o indicador é adotado como indicador no contrato para a revisão da tarifa. O preço da tarifa foi arredondado para facilitar o troco. O valor para recomposição dos custos seria na realidade R$ 3,6753 — abaixo, portanto dos R$ 3,70. No entanto, no reajuste concedido em 2014 o valor final foi inferior ao calculado pela Agetransp:

Com base no contrato de concessão, reajuste tarifário para o serviço público de transporte metroviário. O conselho diretor da agência reguladora homologou reajuste de 3,98% (IGP-M) para a tarifa metroviária de equilíbrio. Assim, a concessionária fica autorizada a praticar tarifa de R$ 3,70 a partir do dia 02 de abril de 2015. A tarifa estipulada foi de R$ 3,5346 e a aplicada de R$ 3,50.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/metro-sobe-para-370-no-dia-2-de-abril-1-15469105#ixzz3T5uJq9yY 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Governo doa vagões velhos ao Metrô em troca de investimento

26/02/2015 - O Dia

Concessionária fará duas subestações

O DIA

Rio - O governo do estado transferiu para a concessionária MetrôRio os 28 vagões antigos, sem-ar-condicionado, que atendiam à Linha 2 do metrô. Os equipamentos estavam fora de operação desde 2004 e ficavam estacionados no pátio da Cidade Nova. Em contrapartida, a concessionária será obrigada a construir duas subestações de energia avaliadas em R$ 18 milhões, que eram de responsabilidade do Estado. As subestações serão instaladas próximas às estações de Coelho Neto e Thomás Coelho, na Zona Norte, e devem estar concluídas até o final deste ano. 

Segundo a Secretaria Estadual de Transportes, as subestações servirão para aumentar a capacidade do sistema. A concessionária deve retirar os vagões do pátio, abrindo mais espaço de manobra para os novos trens da Linha 4. A secretaria deve concluir, em 60 dias, operação semelhante para transferir 67 composições antigas para a SuperVia, em troca de investimentos.

Tatuzão chega de bicho a Ipanema

26/02/2015 - Meia-Hora / RJ

Tatuzão, equipamento usado na perfuração dos túneis da Linha 4 do metrô, chegou ontem de manhã à estação Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, Zona Sul do Rio. Prevista para o primeiro semestre de 2014, a conclusão do trecho demorou um ano a mais, já que a máquina ficou seis meses parada depois que parte de uma rua do bairro afundou.

Apesar do atraso, o governador Luiz Fernando Pezão garantiu que o cronograma será cumprido e disse que a próxima fase não deverá causar rachaduras nem outros impactos na região. Segundo ele, o Tatuzão chegou ao local três semanas antes do esperado após a paralisação da obra. "O grande imprevisto foi a transição de um território de argila e pedra para uma área de areia. Tivemos que nos adaptar, fizemos obras de reforço das estruturas dos prédios, e agora o Tatuzão vai pelo meio da rua (em percurso subterrâneo) nos próximos três quilômetros. Por isso, a gente não espera um grande problema", afirmou Pezão.

Agora, o Tatuzão começa a escavar a Rua Visconde de Pirajá e a Avenida Ataulfo de Paiva. Segundo o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, a máquina deve chegar ao Jardim de Alah na segunda quinzena de agosto; à estação Antero de Quental na primeira quinzena de outubro e, em dezembro, à Rua Visconde de Albuquerque - todas no Leblon, num percurso de cerca de 2,8 km. Osório confirmou que a Linha 4 será inaugurada em junho de 2016. Das seis estações, apenas a da Gávea foi adiada para dezembro do ano que vem, já que teve o projeto reformulado.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Pezão confirma que estuda implantar BRT no lugar da linha 3

24/02/2015 - A Tribuna - RJ

O governador Luiz Fernando Pezão vai consultar a população fluminense sobre a possibilidade de implantar o corredor BRT ligando Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, no lugar da Linha 3 do Metrô, que ele prometeu fazer durante a campanha de reeleição, no ano passado. Ainda não definiu como será esta consulta, mas, o projeto do BRT está sendo considerado mais viável, por ser mais barata. O chefe do Executivo fluminense falou sobre o assunto ontem com jornalistas após reunião com a comissão de coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI), em que apresentou o balanço de obras de infraestrutura para os jogos Olímpicos de 2016.

"Vou colocar isso como opção. Caso a sociedade não queira, vamos esperar até termos dinheiro para fazer a Linha 3 do Metrô. Mas não é algo barato", afirmou.

De acordo com o governador, o motivo da mudança é a perda de R$ 2,4 bilhões em royalties do petróleo que o Estado do Rio terá este ano. "O momento econômico é muito ruim. Perdemos, com as atividades da Petrobras e os royalties, R$ 5 bilhões. Um BRT custa cinco vezes menos. Se serve para a Barra, por que não para São Gonçalo, Niterói e Itaboraí?", questionou Pezão, sem garantir que a implantação ocorrerá.

De acordo com o chefe do Executivo, a obra do BRT custa 20% da obra do metrô e ficaria pronta em pouco mais de um ano. De acordo com ele, o Estado tem uma dificuldade grande de arrecação e que por muitos anos foi dependente da Petrobras. Em 2013, ao lado do então governador Sérgio Cabral e de Pezão, a presidente Dilma Rousseff anunciara, durante evento em São Gonçalo, a liberação de R$ 2,57 bilhões para a obra. Em 15 de janeiro, o governador declarara que queria obter R$ 1,5 bilhão da iniciativas privada para colocar a sua parte no financiamento da construção da Linha 3. A outra parte viria do governo federal.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Projeto de BRT em vez de Linha 3 do metrô é criticado por especialistas

20/02/2015 - O Dia - RJ

Rio - O compromisso do governador Luiz Fernando Pezão, reafirmado há duas semanas, de licitar a obra da Linha 3 do metrô acenava para o fim da espera de uma promessa que se arrasta desde o primeiro mandato de seu antecessor, Sérgio Cabral. Mas o projeto que ligaria Niterói e São Gonçalo por trilhos — e Itaboraí futuramente — pode descarrilar e dar lugar a um corredor BRT até Maricá, como antecipou nesta quinta-feira o Informe do DIA

A alternativa mais econômica, em um momento de queda da arrecadação estadual, preocupa os especialistas. Segundo eles, o BRT não tem capacidade para atender à demanda do Leste Fluminense, que se prepara para receber o Comperj, polo petroquímico com inauguração prevista para 2016, em Itaboraí.

"O BRT é um quebra-galho, uma meia solução diante de uma solução completa. A Linha 3 tem uma demanda, hoje, de 500 mil viagens por dia, quantidade que justifica o metrô. Pode ser que o BRT atenda num primeiro instante, mas o transporte induz o aumento da demanda", diz o professor de Engenharia de Transportes Alexandre Rojas, da Uerj, que estima que o custo do corredor BRT seja um terço do valor da obra do metrô. A previsão era de que a Linha 3 custasse cerca de R$ 3,5 bilhões, dos quais R$ 2,57 já tinham sido prometidos pelo governo federal.

Professor de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ, Paulo Cézar Ribeiro indica que o BRT transporta 20 mil passageiros por hora por sentido, enquanto o metrô tem capacidade para 60 mil por hora. "Se o PDTU (Plano Diretor de Transporte Urbano, que está sendo atualizado) apontar demandas altas, a única solução é o sistema ferroviário. Colocar BRT é gerar problema", alerta.

"Essa ideia é um retrocesso em termos de capacidade e de preservação do ambiente", critica Eva Vider, mestre da UFRJ.

Moradores reclamam

Moradores de Niterói e São Gonçalo não aprovaram a possibilidade do projeto que ligaria Niterói e São Gonçalo por trilhos não sair do papel.

"Seria melhor ter um metrô. O transporte seria mais confortável e mais ágil. Com o BRT, os ônibus vão sair do ponto final já lotados", esbravejou a vendedora Wilcilene Sousa, de 39 anos, moradora de São Gonçalo. "Na porta da minha casa passava um trem, prometeram um metrô e agora não teremos mais nada", criticou o motorista Paulo César Amaral, 64, que mora na Rua Maurício de Abreu, em Neves.

Procurada pelo DIA nesta quinta-feira, a Secretaria Estadual de Transportes informou que ainda não existe definição sobre qual projeto será desenvolvido. "A Linha 3 está em fase de estudos e todos os projetos estão em análise", informou em nota.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Sistemas de energia entre a Linha 1 e a Linha 4 do Metrô já estão sendo conectados

19/02/2015 - Grandes Construções

Cabos que vão alimentar a nova linha foram puxados entre Botafogo e Cantagalo

Fonte: Assessoria de Imprensa


Enquanto avançam as obras da Linha 4 do Metrô (Barra da Tijuca – Ipanema), os sistemas de energia que vão conectar a nova linha com a Linha 1 do Metrô já estão sendo montados. Os serviços são feitos nas madrugadas, entre 2h e 4h30, quando as composições não estão operando e a linha pode ser desenergizada. Na primeira etapa, os cabos foram lançados entre as estações Botafogo e Cantagalo, num total de 26.100 metros de extensão. Agora, os colaboradores da Linha 4 do Metrô executam as conexões desses cabos a cada 300 metros.

Todos os cabos necessários para a implantação da Linha 4 do Metrô já foram comprados. Eles vêm em grandes bobinas, com aproximadamente 300 metros de cabos em cada bobina, pesando 2,5 toneladas. Essas bobinas foram levadas para dentro dos túneis da Linha 1 em pranchas ferroviárias, puxadas por uma espécie de mini locomotiva, o trackmobile, pilotado por um maquinista.

Como o cabeamento tem oito centímetros de espessura e 8,3Kg por metro, a instalação desse material exigiu o envolvimento de cerca de 30 colaboradores, entre engenheiros, técnicos, eletricistas e ajudantes. Técnicos de Segurança do Trabalho do Consórcio Linha 4 Sul, responsável pelas obras entre Ipanema e Gávea, e um funcionário da MetrôRio acompanharam todo o processo, entre junho de 2014 e janeiro de 2015. Neste trecho de Botafogo a Cantagalo, foram usadas 87 bobinas. Entre os cabos, a cada 300 metros, foram executadas até agora 47 emendas. O trabalho continua sendo executado.

No total, em todo trecho da Linha 4 do Metrô, serão necessárias 370 bobinas com 110Km de cabos que, em funcionamento, estarão energizados. O lançamento de cabos para energização do trecho que liga a Barra da Tijuca a São Conrado será iniciado em maio. Lá, já foram implantados 7 Km de via permanente e está em execução toda a infraestrutura necessária para a utilização da via, como a instalação das passarelas de emergência, sinalização e piloto automático, além do terceiro trilho. Como ainda não há operação na via permanente, o serviço de lançamento de cabos poderá ser realizado 24h por dia.

Em paralelo a conexão dos sistemas das linhas 1 e 4, também são realizados serviços de infraestrutura no interior das estações da Linha 4 em construção, já que as equipes de instalação elétrica, hidráulica, de ventilação e sistemas eletrônicos acompanham o avanço das obras de engenharia civil.

Subestações de energia

Duas subestações de energia em 138KV( SSP'S) vão permitir o funcionamento da Linha 4 do Metrô. A de Botafogo está sendo reformada e outra, em São Conrado, está em construção, com previsão de conclusão no segundo semestre. As subsestações principais de Botafogo e São Conrado (SSPs) vão alimentar dez subestações retificadoras (SSRs), de tração, que fornecem energia para o trem se locomover (terceiro trilho). Três já estão sendo construídas.

As SSPs ainda atendem 14 subestações auxiliares (SSAs), que alimentam todas as utilidades necessárias para a operação do metrô, como iluminação de túneis e estações, tomadas, aparelhos de ar condicionados, sistemas de ventilação, sistema de exaustão e etc.

Metrô reduzirá tempo entre Rocinha e Centro do Rio

19/02/2015 - Brasil 247

Favela247 – Prevista para começar a fase de testes em junho de 2016, a linha 4 do metrô, que além da estação São Conrado, próxima à Rocinha, terá as estações Jardim Oceânico, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz, reduzirá o tempo de viagem da Rocinha para o Centro do rio para cerca de 30 minutos. A Reportagem do Viva Rocinha conversou com o secretário estadual de Transportes, Carlos Osório, e mostra em qual estágio estão as obras. Leia à reportagem abaixo.

Por Michel Silva, para o Viva Rocinha

Estação São Conrado do Metrô reduzirá tempo de viagem entre Rocinha e Centro do Rio

As pessoas que passam diariamente pela entrada da Rocinha, próximo ao Largo das Flores, certamente não sabem mas a Estação São Conrado da linha 4 do Metrô (Barra da Tijuca – Ipanema) está em fase de acabamentos. O secretário estadual de Transportes, Carlos Osório visitou as obras nesse sábado (07/02) junto com alguns moradores da comunidade e membros de uma associação de moradores da Rocinha. A Linha 4 vai transportar, a partir de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia e retirar das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico.

São Conrado terá uma estação no início do bairro com piso de granito no mezanino e nos acessos dos passageiros, terão claraboias de 16 metros de diâmetro na área das bilheterias e catracas. Essa estrutura privilegia a iluminação natural da estação. Uma delas já foi instalada.

A estação contará com três acessos: um na Estrada da Gávea, em frente ao supermercado Extra, outro na Avenida Niemeyer (próximo à Igreja Universal da Rocinha), e o terceiro na Avenida Aquarela do Brasil (onde funcionava a antiga concessionária Itavema).

Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa. "Se você quiser ir para Niterói, você saltará na estação Carioca e usará seu bilhete único para embarcar na barca. O que estamos fazendo é colocando a Rocinha perto de todo o Rio de Janeiro", explicou Osório.

Inauguração marcada para 2016

A linha 4 será composta por seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão. É considerada a maior obra de engenharia em andamento no Brasil que envolve cerca de 9 mil operários.

A fase de testes da linha 4 começará em junho de 2016 mas não será em horário integral. "Vamos trabalhar em junho para testar as estações e os equipamentos fora do horário de pico. Então em junho, se você quiser ir trabalhar no Centro, o metrô não estará funcionando. Agora se você quiser descer no metrô às 11h para chegar na Barra ou Ipanema você poderá usar o metrô no mês de junho.", conta Osório.

A linha 4 será inaugurada em julho de 2016 com horário integral. Porém, a linha 4 funcionará até outubro ou novembro fazendo apenas o trajeto Barra da Tijuca – General Osório. O usuário que precisar ir da Rocinha para o Centro, precisará descer na estação de Ipanema e trocar de trem para seguir viagem.

Um dos maiores cuidados é estabilizar o fluxo de passageiros entre a linha 1 (Uruguai – General Osório) e a linha 4 cujo plano durará três ou quatro meses. A partir de dezembro de 2016, os passageiros poderão ir de metrô da estação São Conrado até a estação Uruguaiana, no Centro do Rio, sem precisar trocar de trem. A expectativa é que o tempo de viagem da Rocinha até o Centro da cidade dure cerca de 30 minutos. Lembrando que, na maioria das vezes, 30 minutos é o tempo que um passageiro leva da entrada da Rocinha até a Praça Sibéluis, na Gávea.

"O morador da Rocinha não está acostumado a usar o Bilhete Único porque não possui conexão com os meios de transportes intermunicipais. Nós vamos abrir um posto de cadastramento do Bilhete Único na Rocinha para quem quiser ir na Baixada, Niterói ou São Gonçalo irá utilizar a tarifa do Bilhete Único", prometeu Osório.

Os trilhos entre as estações São Conrado e Jardim Oceânico já estão instalados. No trecho entre São Conrado e Gávea, o túnel já foi escavado e receberá os trilhos em breve. O "tatuzão" está em operação no trecho entre Leblon e Ipanema.

O projeto é um dos compromissos do Governo do Estado do Rio de Janeiro com o Comitê Olímpico Internacional (COI) por ocasião dos Jogos Olímpicos.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Sistemas de energia entre a Linha 1 e a Linha 4 do Metrô Rio já estão sendo conectados

15/02/2015 - AIB News

Enquanto avançam as obras da Linha 4 do Metrô (Barra da Tijuca – Ipanema), os sistemas de energia que vão conectar a nova linha com a Linha 1 do Metrô já estão sendo montados. Os serviços são feitos nas madrugadas, entre 2h e 4h30, quando as composições não estão operando e a linha pode ser desenergizada. Na primeira etapa, os cabos foram lançados entre as estações Botafogo e Cantagalo, num total de 26.100 metros de extensão. Agora, os colaboradores da Linha 4 do Metrô executam as conexões desses cabos a cada 300 metros.

Todos os cabos necessários para a implantação da Linha 4 do Metrô já foram comprados. Eles vêm em grandes bobinas, com aproximadamente 300 metros de cabos em cada bobina, pesando 2,5 toneladas. Essas bobinas foram levadas para dentro dos túneis da Linha 1 em pranchas ferroviárias, puxadas por uma espécie de mini locomotiva, o trackmobile, pilotado por um maquinista.

Como o cabeamento tem oito centímetros de espessura e 8,3Kg por metro, a instalação desse material exigiu o envolvimento de cerca de 30 colaboradores, entre engenheiros, técnicos, eletricistas e ajudantes. Técnicos de Segurança do Trabalho do Consórcio Linha 4 Sul, responsável pelas obras entre Ipanema e Gávea, e um funcionário da MetrôRio acompanharam todo o processo, entre junho de 2014 e janeiro de 2015.

No total, em todo trecho da Linha 4 do Metrô, serão necessárias 370 bobinas com 110Km de cabos que, em funcionamento, estarão energizados. O lançamento de cabos para energização do trecho que liga a Barra da Tijuca a São Conrado será iniciado em maio. Lá, já foram implantados 7 Km de via permanente e está em execução toda a infraestrutura necessária para a utilização da via, como a instalação das passarelas de emergência, sinalização e piloto automático, além do terceiro trilho. Como ainda não há operação na via permanente, o serviço de lançamento de cabos poderá ser realizado 24h por dia.

Em paralelo a conexão dos sistemas das linhas 1 e 4, também são realizados serviços de infraestrutura no interior das estações da Linha 4 em construção, já que as equipes de instalação elétrica, hidráulica, de ventilação e sistemas eletrônicos acompanham o avanço das obras de engenharia civil.

Subestações de energia

Duas subestações de energia em 138KV( SSP'S) vão permitir o funcionamento da Linha 4 do Metrô. A de Botafogo está sendo reformada e outra, em São Conrado, está em construção, com previsão de conclusão no segundo semestre.

As subsestações principais de Botafogo e São Conrado (SSPs) vão alimentar dez subestações retificadoras (SSRs), de tração, que fornecem energia para o trem se locomover (terceiro trilho). Três já estão sendo construídas.

As SSPs ainda atendem 14 subestações auxiliares (SSAs), que alimentam todas as utilidades necessárias para a operação do metrô, como iluminação de túneis e estações, tomadas, aparelhos de ar condicionados, sistemas de ventilação, sistema de exaustão e etc. 

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Moradores da Rocinha e secretário de transporte visitam a obra do metrô em São Conrado

Favela ganhará posto de atendimento de Bilhete Único, integrado com os ônibus municipais e intermunicipais

POR ANA BEATRIZ MARIN

07/02/2015 - O Globo


Linha 4 do metrô: a obra na estação São Conrado - Ivo Gonzalez / Agência O Globo

RIO - Cerca de 20 moradores da Rocinha visitaram neste sábado, junto com o secretário Estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, as obras da estação São Conrado da Linha 4 do Metrô, que ligará Barra da Tijuca e Ipanema. O secretário destacou a importância da estação para moradores da região e disse que será instalado um posto de atendimento de Bilhete Único, integrado com os ônibus municipais e intermunicipais. A previsão é de que a estação São Conrado - assim como toda Linha 4 - comece a operar em junho de 2016, mas fora do horário de pico. O funcionamento pleno começará a partir de julho do mesmo ano. A obra deverá beneficiar cerca de 61 mil pessoas por dia.

- Estamos colocando a Rocinha perto de todo o Rio de Janeiro. Esta é a grande diferença deste projeto - disse Osório, ressaltando a abrangência da Linha 4, que terá 16 quilômetros de extensão. - Isso é praticamente a mesma extensão de metrô em túneis escavados, entre as estações Uruguai e General Osório, que tem 17 quilômetros. Estamos fazendo em sete anos, tudo o que se construiu nos últimos 40.

Para o presidente da Associação de Moradores da Rocinha, Sérgio Ancelmo Rodrigues, a estação vai trazer vários benefícios:

- Estamos felizes porque o metrô vai representar uma economia de tempo e dinheiro. E haverá mais conforto para os moradores da Rocinha. As obras estão atrapalhando um pouco o trânsito, mas seremos recompensados no futuro. É um ganho que precisa ser valorizado.

A estação São Conrado terá dois acessos: um na Avenida Niemeyer, em frente à Igreja Universal da Rocinha, e outro na Estada da Gávea, próximo ao número 600. Cada entrada terá duas claraboias de 16 metros de diâmetro na área das bilheterias e catracas. Neste trecho, segundo Osório, já foram instalados sete dos 35 quilômetros de trilho que vão compor toda a Linha 4.

As escavações já terminaram, mais ainda restam aproximadamente três quilômetros de rocha a serem retiradas entre as estações Antero de Quental e Jardim de Alah. Durante as denotações, foram usadas 1.650 toneladas de explosivos. Considerando as 24 toneladas da queima de fogos de Copacabana, seria possível fazer 68 festas de Réveillon.

O bitúnel foi construído debaixo de 840 metros de rocha - a Pedra da Gávea - o equivalente a altitude de Friburgo, na Região Serrana do Rio. O volume de rocha escavado no trecho foi de 794,4 mil m³.

A distância de cinco quilômetros entre as estações São Conrado e Jardim Oceânico, na Barra, deverá ser feita em apenas seis minutos.

- O trajeto entre a Barra e o Centro do Rio poderá ser feito em pouco mais de meia hora. Saindo da Rocinha, o trecho durará cerca de 25 minutos. Hoje o tempo é de uma hora e meia - disse Carlos Osório. - A obra vai retirar cerca de 2 mil veículos das ruas em horário de pico.

O custo da obra de toda a Linha 4 do metrô é de R$ 8,79 bilhões.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/moradores-da-rocinha-secretario-de-transporte-visitam-obra-do-metro-em-sao-conrado-15276028#ixzz3R5IDJld1 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Frota de trens no metrô será ampliada em 30% até 2016, diz governo do RJ

05/02/2015 - G1 Rio

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, o secretario estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, e o presidente do Metrô, Flavio Almada, apresentaram na manhã desta quinta-feira (5) o primeiro dos 15 novos trens da Linha 4 (Barra da Tijuca - Ipanema). A primeira composição passara por 90 dias de testes. De acordo com o cronograma, até 2015 os outros 14 trens vão chegar no Brasil. Com isso, a frota de trens do metrô será ampliada em 30% — serão 64 composições.

O trem foi construído na China, tem capacidade para 1,8 mil pessoas, seis carros, ar condicionado, passagem interna entre carros, painéis de Led e câmeras de monitoramento. A expectativa é de menos de dois mil carros por hora em horário de pico circula do nas ruas. O projeto é o mesmo das composições que operam no MetrôRio desde 2012.

As novas composições vão começar a circular no final do primeiro semestre de 2016. Segundo Osório, duas novas composições já estão embarcadas em direção ao Rio de Janeiro.

A expectativa é de que 300 mil pessoas sejam beneficiadas por dia com a Linha 4 do  metrô.
"Os recursos para essa obra estão garantidos em conta", afirmou Pezão, que ressaltou os empregos gerados pela construção da Linha 4, em torno de 9 mil.

Segundo governador, o estado vive um momento difícil, mas segundo ele, "é preciso olhar pra frente" e fazer parcerias. "Tenho certeza que somando forças a gente vai conseguir continuar crescendo".

Ele afirmou ainda que está sendo estudado levar o metrô até o Recreio. "Metrô é dignidade para a população e temos que chegar ao máximo da Região Metropolitana", disse o governador.


Pezão falou ainda que precisa se readaptar as verbas do estado devido a crise do petróleo. O governador disse também que o estado está com os compromissos em dia que estavam previstos para as Olimpíadas de 2016. "O mais difícil era essa obra aqui [metrô]".

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Pezão apresenta um dos novos trens da Linha 4 do metrô

Com os novos trens, que começam a circular no primeiro semestre de 2016, a frota será ampliada em 30%, saindo de 49 para 64

POR CÉLIA COSTA

05/02/2015 - o Globo


Um dos trens que vão operar na Linha 4 do metrô - Pedro Teixeira / Agência O Globo

RIO - O governador Luiz Fernando Pezão apresentou, na manhã desta quinta-feira, o primeiro dos 15 novos trens que vão operar na Linha 4 do metrô (Barra da Tijuca- Ipanema). A composição, fabricada na China, desembarcou no Rio no último dia 27, mas foi apresentada nesta quinta-feira às autoridades. Com os novos trens, que começam a circular pelos trilhos da Linha 4 no final do primeiro semestre de 2016, a frota do metrô do Rio será ampliada em 30%, saindo de 49 para 64.

De acordo com Pezão, a linha vai melhorar significativamente a mobilidade da população. O trem, ainda segundo o governador, tem a vantagem de não poluir o ar. A expectativa é de que menos 2 mil carros por hora deixem de circular nas ruas da cidade. Para ele, a Linha 4 é maior obra de infraestrutura urbana da América Latina.

— Tenho o dever de arrumar as finanças do estado por causa das dificuldades do petróleo, mas temos que cumprir o que prometemos. A Linha 4 é maior obra do caderno de encargos das Olimpíadas. O mais difícil era isso aqui, e os prazos estão rigorosamente em dia. O Tatuzão está trabalhando a todo vapor — disse o governador.


Nova composição foi apresenta por Pezão nesta quinta-feira - Pedro Teixeira / Agência O Globo
Pezão disse ainda que o objetivo é antecipar a entrega da estação da Nossa Senhora da Paz, cujo o acesso externo já está quase concluído e já pode ser visto por quem passa pelo local.

Estiveram presentes o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, e o presidente do Metrô Rio, Flávio Almada.

NOVO TREM PASSARÁ POR 90 DIAS DE TESTES

A primeira composição passará por 90 dias de teste, que incluem avaliações em marcha branca (operação sem passageiros), seguida de uma operação assistida e, por fim, uma operação comercial com passageiros na Linha 1 e, depois, na Linha 2.

Em seu discurso, o governador voltou a falar sobre a expansão do metrô até o Recreio, projeto que fará em parceria com a prefeitura. Pezão também ressaltou que o metrô deve chegar ao máximo de locais da Região Metropolitana.

Além do novo trem, que foi apresentado, o Metrô Rio inaugurou nesta quinta-feira o pátio oeste no Centro Administrativo da Avenida Presidente Vargas, local que receberá as composições que chegarão da China.

O trem novo é do mesmo modelo dos que já operam atualmente na Linha 2. Com capacidade para 1.800 pessoas, ar-condicionado mais potente e passagem interna entre os carros, o trem tem painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/pezao-apresenta-um-dos-novos-trens-da-linha-4-do-metro-15249336#ixzz3QtjZZb00 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Primeiro trem da linha 4 do Metrô/RJ será apresentado nesta quinta-feira

04/02/2015 - Governo do Rio de Janeiro

O governador Luiz Fernando Pezão, o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio, e o presidente do MetrôRio, Flávio Almada, apresentam o primeiro dos 15 novos trens da Linha 4 (Barra da Tijuca-Ipanema) nesta quinta-feira (5/2).

Construído na China, o trem possui seis carros, capacidade para 1,8 mil pessoas, ar-condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno. O projeto é o mesmo das composições que operam no MetrôRio desde 2012.

Serviço

Local: Avenida Presidente Vargas 2.000 – Centro Administrativo do MetrôRio

Data: 5/2/15

Horário: 9h30 (a imprensa deverá chegar com meia hora de antecedência, ou seja, às 9h)

O credenciamento será feito até dia 4/2 (quarta-feira), através do e-mail metrorio@comunicacaomais.com.br

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Primeiro trem da Linha 4 do metrô RJ será apresentado nesta quinta-feira

04/02/2015 - Revista Ferroviária

O governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, e o presidente do MetrôRio, Flávio Almada, apresentam o primeiro dos 15 novos trens da Linha 4 (Barra da Tijuca-Ipanema) nesta quinta-feira (5/2).


Construído na China, o trem possui seis carros, capacidade para 1.800 pessoas, ar condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno. O projeto é o mesmo das composições que operam no MetrôRio desde 2012.  

Obra da Linha 4 do metrô já reutilizou 200 milhões de litros de água, diz concessionária

Volume é usado na lavagem de caminhões, máquinas e limpeza de canteiros

03/02/2015 - O Globo


Operário limpa a roda do caminhão com a água reaproveitada - Linha 4 do Metrô / Divulgação

RIO — A concessionária responsável pelas obras da Linha 4 do Metrô, que vai ligar Ipanema à Barra da Tijuca, afirma que já reutilizou cerca de 200 milhões de litros de água desde 2011, quando as escavações dos túneis começaram. De acordo com o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, 100% da água usada é reaproveitada em ações como a lavagem de caminhões, máquinas, limpeza dos canteiros de obra, das ruas no entorno e até das botas usadas por engenheiros e operários. Segundo a concessionária, a quantidade poderia abastecer mais de 18 mil casas por um mês. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), cada pessoa necessita, em média, de 3.300 litros de água por mês para suprir as necessidades de consumo e higiene.

O jumbo, equipamento que faz as perfurações para a colocação de explosivos, gasta em torno de 10 mil litros de água por hora. O volume passa por decantadores e, depois, volta à máquina, para novo uso. Já as estações de tratamento de efluentes reaproveitam cerca de 130 mil litros de água por dia.

Outra ação adotada pela concessionária é a captação da água proveniente dos aparelhos de ar condicionado. As gotas são captadas por um sistema de tubos e usadas para limpar banheiros e pisos das salas administrativas. A estimativa da concessionária é de que 750 litros de água sejam captados pelo sistema no processo. Há ainda a captação de água de chuva.


Caixa decantadora da estação de tratamento de água localizada no túnel de São Conrado - Linha 4 do Metrô / Divulgação
Para Osório, o reaproveitamento da água é "motivo de orgulho num momento em que a sociedade faz esforço para economizar", em referência à crise hídrica enfrentada por estados como Rio e São Paulo.

— É um projeto inovador, com padrão bastante elevado. É referência no uso de água em obras de infraestrutura. A gente espera que possa servir de exemplo para indústrias nesse momento de contingenciamento — afirmou.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/obra-da-linha-4-do-metro-ja-reutilizou-200-milhoes-de-litros-de-agua-diz-concessionaria-15233970#ixzz3QmEYXaA9 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

domingo, 1 de fevereiro de 2015

MetrôRio prossegue com a Operação Verão

30/01/2015 - Jornal do Brasil

O MetrôRio continua com a Operação Verão neste fim de semana, que promete temperaturas altas. No domingo (01/02), está prevista a redução no intervalo dos trens, com aumento de 13% na oferta de lugares comparada com a grade de trens atual. Além disso, trens extras, posicionados em estações estratégicas, poderão ser injetados no sistema  de acordo com o aumento do fluxo de passageiros. A transferência entre as linhas 1 e 2 acontecerá na estação Estácio.

O esquema de fim de semana contará também com reforço de equipes de bilheteiros, seguranças e frota dos ônibus Metrô Na Superfície. A Concessionária recomenda que os passageiros façam uso do Cartão Pré-Pago ou comprem as passagens de forma antecipada, evitando filas na volta da praia. 

Durante a Operação Verão, serão reforçadas normas de convivência no metrô, como respeitar os assentos preferenciais, embarcar com grandes volumes (por exemplo, isopor) e evitar música alta, usando o fone de ouvido durante a viagem.