terça-feira, 24 de junho de 2014

Invepar registra aumento de 24% de passageiros do Metrô Rio

24/06/2014 - Monitor Mercantil

As mudanças de acesso ao centro do Rio de Janeiro, em função das obras na região, e a inauguração da Estação Uruguai, na Tijuca, também contribuíram para o crescimento de 24,2% em relação ao mesmo mês de 2013, diz a Invepar.

A reabertura da Estação General Osório, em Ipanema, em dezembro do ano passado, contribuiu para o fechamento do mês de maio do Metrô Rio, com um total de 19,4 milhões de passageiros transportados. As mudanças de acesso ao centro do Rio de Janeiro, em função das obras na região, e a inauguração da Estação Uruguai, na Tijuca, também contribuíram para o crescimento de 24,2% em relação ao mesmo mês de 2013, diz a Invepar.

O tráfego consolidado de Veículos Equivalentes Pagantes (VEP) nas rodovias da operadora, registrou um crescimento de 12,3% atingindo um total de aproximadamente 20,2 milhões de VEP. O aumento, em relação ao mesmo mês de 2013, foi influenciado principalmente pelo maior fluxo de veículos pesados, principalmente na Via Parque Rímac (VPR), em Lima, Peru, e Concessionária Auto Raposo Tavares (CART), além do início da prestação de serviços da Concessionária Rota do Atlântico (CRA), em Pernambuco.

No segmento de Aeroportos, a Invepar contabilizou um movimento de 3,1 milhões de passageiros em GRU Airport, crescimento de 8,9% em comparação a maio do ano passado. No período, houve 24,9 mil movimentos de aeronaves, um aumento de 5,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Este crescimento foi impulsionado pelo início das operações de oito novas companhias aéreas estrangeiras e pela inauguração do novo Terminal 3, com capacidade para 12 milhões de passageiros. Já a carga movimentada teve aumento de 5,2%, influenciado principalmente pelo aumento das exportações.

O grupo controla atualmente nove concessões rodoviárias, totalizando 1.963,8 quilômetros sob gestão; GRU Airport, Concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos, considerado o maior da América Latina; e duas concessões no segmento de mobilidade urbana: Metrô Rio e VLT Carioca.

Fonte: Monitor Mercantil

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Linha 3 do metrô começa a sair do papel

22/06/2014 - O Dia

Desapropriações iniciam em São Gonçalo e governo coloca edital em consulta pública dia 30

PAULO CAPPELLI

Rio - São Gonçalo e Niterói começam a se preparar para um dos principais projetos de mobilidade urbana da Região Metropolitana: a Linha 3 do metrô, que ligará as duas cidades e beneficiará 1,5 milhão de pessoas. O investimento é de R$ 3 bilhões e envolve recursos dos governos estadual (51%) e federal (49%). A concorrência será aberta 15 de agosto, e o consórcio vencedor, anunciado um mês depois. Mas no próximo dia 30 o edital de licitação já estará disponível para consulta pública.

Em São Gonçalo, 300 casas foram desapropriadas nos últimos dois meses, no bairro Jardim Catarina, para preparar o terreno para as obras. As famílias foram realocadas em residências do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal.


No bairro de Jardim Catarina, prefeitura já desapropriou 300 casas para dar lugar às obras do metrô
Foto:  Divulgação

O projeto da Linha 3 prevê que a maior parte do trajeto seja monotrilho em elevação e, o restante, metrô de superfície. O início da operação só deve ocorrer em 2018, com todas as 14 estações funcionando dois anos depois.

A nova linha terá 22 quilômetros de extensão e é considerada a válvula de escape para atenuar os atuais engarrafamentos que afligem moradores de Niterói e São Gonçalo. As cidades não contam com transporte de massa desde que o trem da região deixou de operar, na década de 1980.

“Você chega a perder duas horas num trecho curto, entre São Gonçalo e Niterói, em ônibus ou vans. O metrô resolve 50% dos nossos problemas de locomoção. Vale a pena lembrar que São Gonçalo tem 1 milhão e 200 mil habitantes, sendo a segunda cidade mais populosa do Estado do Rio, atrás apenas da capital”, disse o prefeito de São Gonçalo, Neílton Mulim.

“O projeto começa a tomar corpo num momento importante, porque o Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro) vem alterando a dinâmica do fluxo de passageiros. Se o padrão antes era muita gente saindo de São Gonçalo e Itaboraí para trabalhar no Rio, hoje tem muito carioca que vem para os lados de cá. São pessoas interessadas em trabalhar no empreendimento da Petrobras”, disse o secretário de Transportes de São Gonçalo, Daelson Viana.

Há estudos para estender a Linha 3 até o município de Itaboraí, onde fica o Comperj, mas não há data estabelecida para abertura da licitação ou previsão para o início das obras.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Consórcio já começa a instalar linha férrea do metrô no trecho entre Barra e São Conrado

Início de operação da Linha 4 está previsto para o primeiro semestre de 2016

POR RAFAEL GALDO
17/06/2014 - O Globo

Trilhos são instalados no trecho entre o Jardim Oceânico, na Barra, e São Conrado, onde a construção das estações também está adiantada. O consórcio da Linha 4 diz que a obra será   concluída em meados de 2016 Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo
Trilhos são instalados no trecho entre o Jardim Oceânico, na Barra, e São Conrado, onde a construção das estações também está adiantada. O consórcio da Linha 4 diz que a obra será concluída em meados de 2016 Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

RIO — Enquanto a bola rola na primeira fase da Copa do Mundo, as obras da Linha 4 do metrô — fundamentais para as Olimpíadas de 2016 e, claro, para a vida dos cariocas — começam a ganhar forma. Como adiantou a coluna Gente Boa, os trilhos já começaram a ser instalados no trecho da Barra da Tijuca a São Conrado, onde a construção das estações também está adiantada e a escavação nos cinco quilômetros de túneis entre os dois bairros, concluída. Na Barra, são executadas ainda as fundações dos pilares da ponte estaiada que atravessará o Canal da Joatinga. E, da Gávea a São Conrado, há quatro frentes de trabalho para abrir caminho na rocha. O único senão é a suspensão temporária, no trecho Ipanema-Gávea, da operação do Tunnel Boring Machine (TBM), o tatuzão, devido ao afundamento de solo na Rua Barão da Torre, em Ipanema, no mês passado.

Apesar do acidente na Zona Sul, que parou a construção dos túneis na região, a Concessionária Rio Barra S/A, que realiza as obras, afirma que o cronograma está mantido, com o início de operação da Linha 4 previsto para o primeiro semestre de 2016, após uma fase de testes. A colocação dos trilhos começou na via 1 do túnel duplo que liga a Barra a São Conrado (o maior do mundo escavado em rocha entre estações metroviárias). Até agora, 400 metros de trilhos foram instalados, numa área mais ou menos equidistante a ambos os bairros.


Entre a Barra e São Conrado, 400 metros de trilhos foram instalados - Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Na última sexta-feira, operários continuavam acomodando dormentes ao longo do túnel. Segundo o consórcio, a previsão é que sejam instalados 300 metros de trilhos por semana, em intervenções que seguirão, simultaneamente, em direção à Barra e a São Conrado. Com isso, a colocação de trilhos na via 1 deve terminar no início de 2015, quando começarão os serviços na via 2.

PLATAFORMAS QUASE PRONTAS

Nesse trecho, a estação mais adiantada, a de São Conrado, foi completamente escavada. A plataforma de embarque e desembarque está em fase de conclusão. E salas técnicas recebem acabamentos, como ladrilhos e instalações elétricas. Já na do Jardim Oceânico, continuam as escavações e montagem de estroncas, estruturas metálicas que vão escorar as paredes. Mas os dois acessos de passageiros já foram conectados ao centro da estação, que será envolvida por uma manta especial com a finalidade de impermeabilizá-la, uma vez que, na região, o lençol freático está a apenas dois metros da superfície.


Estação de São Conrado: plataforma de embarque e desembarque em fase de conclusão - Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Ao todo, de acordo com o consórcio que realiza as obras, da Barra até a Gávea foram escavados cerca de oito quilômetros de túneis. De São Conrado à Gávea, os trabalhos chegaram perto da metade do caminho, em um ponto onde haverá um alargamento do túnel para a construção de uma bifurcação, com vias tanto no sentido Leblon, quanto em direção à Gávea.

No trecho da Zona Sul, apesar da paralisação na escavação dos túneis devido ao afundamento do solo, outros serviços continuam sendo realizados. Até agora, tinham sido escavados 400 metros de túneis pelo tatuzão. Mas a operação do equipamento só será retomada em cerca de 45 dias.

"Com o assentamento de solo ocorrido na madrugada do dia 11 de maio na Rua Barão da Torre, a construção do túnel entre Ipanema e Gávea está temporariamente suspensa, até que sejam concluídos os serviços de injeção de cimento que vão devolver a coesão ao terreno nesta região", afirma nota do consórcio do metrô.

NAS ESTAÇÕES, TRABALHOS SEGUEM

Enquanto isso, as escavações da estação Nossa Senhora da Paz estão quase terminando, dizem os responsáveis pela obra. Atualmente, é executada uma laje na área por onde o tatuzão passará. Os acessos, por sua vez, recebem acabamentos, como instalação de corrimãos. Dessa forma, espera-se que até o próximo mês parte da Praça Nossa Senhora da Paz seja liberada ao público novamente.

Na Estação Jardim de Alah, as paredes da estação continuam sendo construídas, e atualmente são instaladas cortinas de proteção nos prédios do entorno. Na Estação Antero de Quental, foram concluídos o serviço de tratamento de solo no corpo da estação e a escavação da laje de cobertura. O acesso está sendo escavado pela Avenida Ataulfo de Paiva. Na estação Gávea, depois da conclusão das escavações em solo, começará a fase de escavações em rocha.

Com a expansão, os passageiros poderão optar por trens que seguirão da Barra à Gávea, da Barra a Ipanema/Uruguai e da Gávea a Ipanema/Uruguai (ou vice-versa para todos os casos). Na Linha 4, serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão. A previsão é de que a viagem da Barra a Ipanema demore 15 minutos e, da Barra ao Centro, 34 minutos, em trajetos que devem ser feitos por cerca de 300 mil pessoas por dia.

MALHAS DE DAR INVEJA AO RIO

Em Nova York, o metrô tem 24 rotas e mais de 400 estações. Em Paris, 16 linhas e 300 estações. Em Londres, são 11 linhas e algo como 250 paradas. Em Berlim, apenas um sistema, o U-Bahn, tem dez rotas e cerca de 150 estações. Todas essas metrópoles contam com rede metroviária integrada, que chega a quase toda a cidade. Uma realidade muito distante da Região Metropolitana do Rio. Apesar da atual expansão para a Barra, quando ela ficar pronta, serão 42 estações em toda a cidade. A Linha 4 sairá do papel possivelmente sem que a 3 (Niterói e São Gonçalo) tenha passado de mera promessa. E, mesmo com a Linha 4, o metrô no Rio continuará como uma rota só, da Pavuna à Barra.

Para o futuro, o governo planeja criar a linha Gávea-Largo da Carioca, passando por Jardim Botânico e Botafogo. Há ainda intenção de levar o metrô até o Terminal Alvorada e ao Recreio dos Bandeirantes. Ainda assim, o metrô não chegará a regiões populosas, que também não são alcançadas por outros modais, como os trens. Para o engenheiro de transportes da Uerj José de Oliveira Guerra, o relevo do Rio, com a ocupação dos dois lados da cadeia de montanhas, dificulta e encarece a expansão. Ele lamenta que a Linha 4 não tenha seguido o trajeto original (a partir de Botafogo):

— Temos uma história de concepção e execução do sistema metroviário muito lenta. Além disso, falta planejamento a longo prazo do sistema de transportes. Não há um esboço do que precisaremos nos próximos cinco, dez, vinte anos.

Read more: http://oglobo.globo.com/rio/consorcio-ja-comeca-instalar-linha-ferrea-do-metro-no-trecho-entre-barra-sao-conrado-12890761#ixzz34tXv9ZMc

sábado, 14 de junho de 2014

Trilhos da Linha 4 do Metrô/RJ já estão sendo instalados

12/06/2014 - Correio do Brasil 

Colocação deve chegar à plataforma da Estação São Conrado até o início de 2015

O primeiro túnel aberto pela Linha 4 do Metrô, que vai ligar a Barra da Tijuca a São Conrado e tem cinco quilômetros de extensão, já conta com 400 metros de trilhos novos. De origem espanhola, as estruturas vieram de navio e chegaram ao Rio em fevereiro. Os trilhos, que possuem 18 metros de comprimento e pesam mais de uma tonelada, estão sendo soldados em grupos de quatro e levados para o local onde vão ficar posicionados, já sobre os dormentes (peças de concreto colocadas transversalmente debaixo dos trilhos). A previsão é de que a cada semana sejam colocados 300 metros de trilhos novos no túnel, que é o maior entre estações metroviárias do mundo escavado sob rocha.

- Já instalamos 400 metros de trilhos entre São Conrado e Barra, e a previsão é de que a cada semana 300 novos metros sejam instalados para o funcionamento completo da Linha 4 em 2016. A Linha 4 emprega cerca de 8 mil funcionários e vai atender a 300 mil pessoas por dia – disse o subsecretário de Projetos Especiais da Secretaria da Casa Civil, Rodrigo Vieira.

Até o início de 2015, a colocação dos trilhos deve ser concluída na via 1, chegando à plataforma da Estação São Conrado. Em seguida, começa o trabalho na via 2 (sentido Barra da Tijuca). Ao todo, da Barra até São Conrado, serão mais de 1.100 trilhos.​

Nesta primeira etapa, até a instalação completa dos trilhos na via 1 (sentido São Conrado), os operários trabalham a partir da metade do túnel em duas direções: Barra da Tijuca e São Conrado. Enquanto fazem a concretagem da via permanente, ainda constroem as passarelas de emergência e as canaletas para os cabos do sistema.

Mais de 300 mil pessoas usarão a Linha 4 do Metrô todos os dias

A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro (Barra da Tijuca-Ipanema) vai transportar, a partir de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia e retirar das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa. Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão. A Linha 4 do Metrô entrará em operação no primeiro semestre de 2016, após passar por uma fase de testes. Será possível ir da Barra a Ipanema em 15 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos.

Fonte: Correio do Brasil 

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Metroviários do Rio aceitam acordo e desistem de greve

11/06/2014 - Veja

Assembleia realizada na noite desta terça-feira, na sede do sindicato, reuniu cerca de 400 pessoas. Votação foi secreta, para evitar pressão da empresa

Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro

Os metroviários do Rio de Janeiro desistiram de entrar em greve. Em uma assembleia realizada na noite desta terça-feira na sede do sindicato, na Praça da Bandeira, Zona Norte da capital, a categoria aceitou o acordo proposto pelo Metrô Rio, que concede aumento salarial de 8% e outros benefícios. A categoria pedia reajuste de 6,7%, equivalente ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de dezembro de 2010 a novembro de 2011, além de outros 15% como reposição de "perdas salariais".

A votação foi secreta e reuniu cerca de 400 pessoas. A maioria habilitada a votar optou por suspender a paralisação - somente depois de muita discussão. O estatuto do Sindicato dos Metroviários do Estado do Rio (Simerj) autoriza dia que apenas os sindicalizados podem opinar no processo. Integrantes do grupo barrado protestaram: "Vocês querem decidir sobre nosso trabalho e nossa vida sem que a gente participe", disse Monique Fernandes, supervisora operacional de vendas do Metrô Rio.

Os votos foram depositados em duas urnas distintas. "O congresso do sindicato decidiu que a votação seria secreta porque, na assembleia do ano passado, o Metrô Rio enviou chefes para acompanhar os funcionários, que foram coagidos a aceitar a proposta patronal. Para garantir a aprovação, a empresa pagou hora extra aos funcionários no dia da assembleia", explicou Cesar Ribeiro, diretor do Simerj. O Metrô Rio se recusou a comentar o assunto.

Copa - O metrô é parte fundamental do sistema de transporte para os jogos no Maracanã durante a Copa do Mundo, que começam neste domingo, com a partida entre Argentina e Bósnia. Há três estações no entorno do estádio (Maracanã, São Cristóvão e São Francisco Xavier). A última greve dos metroviários do Rio ocorreu em 25 de maio de 2000, quando 95% dos 1.600 funcionários aderiram à paralisação de 24 horas.

Fonte: Veja.com 

terça-feira, 10 de junho de 2014

Linha 4 do Metrô: novas intervenções no Leblon começam nesta terça-feira

09/06/2014 - Jornal do Brasil
 
Trechos da Avenida Ataulfo de Paiva, entre as ruas General Venâncio Flores e Rita Ludolf, serão ocupados temporariamente por canteiros de obras. Para permitir a passagem  do Tunnel Boring Machine (TBM), o 'Tatuzão', por baixo da Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon, será necessário fazer um serviço de tratamento do solo na via. Por isso, a partir desta terça-feira, 10 de junho, trechos da Avenida Ataulfo de Paiva entre as ruas General Venâncio Flores e Rita Ludolf serão ocupados temporariamente por canteiros de obras. A previsão é de que as intervenções sejam concluídas em dezembro deste ano. O fluxo de veículos pela avenida será preservado. Não haverá alteração de itinerário da linha de ônibus que trafega pelo local.

Nesse período, serão realizados os serviços de Jet Grouting, que consiste em injeções de calda de cimento no subsolo. Durante a execução dos serviços na Avenida Ataulfo de Paiva, será criado um acesso especial para a garagem que fica na área impactada, evitando o bloqueio total. O fluxo de pedestres no passeio público será mantido e o estacionamento na Avenida Ataulfo de Paiva sofrerá alterações conforme o andamento das obras.

Operadores de tráfego trabalharão na região para orientar condutores e pedestres. As alterações viárias foram definidas em conjunto com a CET-Rio (Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro).

Sem acordo coletivo, metroviários do Rio ameaçam parar

09/06/2014 - Jornal do Brasil

Gisele Motta
 
O site do Sindicato dos Metroviários do Estado do Rio de Janeiro (Simerj) publica uma carta aberta anunciando a possibilidade de greve: "O Metrô pode parar". Nesta segunda e terça-feira acontecem reuniões entre o Simerj e o Metrô Rio. Amanhã, às 18h, será realizada uma assembleia para discutir a possível paralisação. ­­­

Na carta aberta, os metroviários expõem os motivos para paralisação. "O Metrô Rio cobra a passagem mais cara do país, desde a privatização em 1998, a passagem subiu de R$ 0,35 para R$ 3,50, uma alta de 1000%, bem mais que a inflação no período, que foi de 347%. O Metrô Rio paga o menor salário do Brasil para metroviários".

quinta-feira, 5 de junho de 2014

MetrôRio prepara esquema bilíngue para atender aos usuários durante a Copa

05/06/2014 - Agência Brasil
 
O MetrôRio montou um esquema especial nas 36 estações do sistema para atender aos passageiros durante o período da Copa do Mundo. Segundo a companhia, todas elas receberam uma nova sinalização bilíngue [português e inglês], que indica geograficamente as estações com o seu entorno, apontando os pontos turísticos mais próximos. Para facilitar o movimento dos passageiros, as placas enfatizam também a comunicação visual.

Além disso, quem usar o MetrôRio para ir aos jogos no Maracanã vai ter a ajuda de promotores bilíngues. A decoração inclui até bandeiras de países que não participam da competição. Segundo a concessionária, o objetivo é homenagear os torcedores de todas as partes do mundo que estarão na cidade. A ponte da Estação Cidade Nova ganhou iluminação especial em verde e amarelo. Para deixar os passageiros no clima da Copa do Mundo nos dias de partidas, o anúncio nas principais estações, tanto na ida como na volta dos jogos, será feito com a voz do locutor esportivo Luís Penido.

A estrutura de acessibilidade atingiu 95% de disponibilidade de equipamentos, após investimentos de R$ 21 milhões desde julho de 2009. Os gastos se concentraram no programa de adaptação das estações aos padrões de acessibilidade, com instalação de plataformas inclinadas, plataformas verticais e elevadores, entre outros benefícios. De acordo com o MetrôRio, atualmente, o sistema dispõe de 253 equipamentos de mobilidade e acessibilidade.

Os usuários que quiserem buscar informações sobre os serviços, podem usar o aplicativo MetrôFácil, na versão em português, e MetroRio - Official Rio Subway, em inglês. Neles, os passageiros podem verificar o mapa com as linhas e as estações, os pontos de acesso aos ônibus das linhas Integração e Metrô Na Superfície, além de busca por bairros e localização geográfica. O aplicativo tem lista dos principais pontos turísticos e espaços culturais da cidade com indicações de como o usuário chegar a cada um. O aplicativo pode ser baixado por meio da App Store e do Google Play.

No Twitter, por meio do perfil @metro_rio, a empresa responde dúvidas em inglês, espanhol e português, assim como no Facebook, pela página www.facebook.com/metrodorio. As dúvidas também podem ser esclarecidas no site da companhia: www.metrorio.com.br. Estarão disponíveis as informações referentes às estações. O usuário poderá planejar a viagem e se informar sobre compra dos cartões.

As estações Uruguai, Cinelândia, Carioca, Uruguaiana, Presidente Vargas e Central têm serviço de internet gratuita, que também estará disponível na Estação Maracanã, a partir da próxima terça-feira (10). O sinal de wi-fi está disponível nos mezaninos e plataformas. O acesso tem tempo limitado de 15 minutos e pode ser feito no máximo duas vezes ao dia. O MetrôRio promete acesso em todas as estações até o fim do ano.

O esquema de segurança do MetrôRio conta com 516 homens e mulheres e 900 câmeras espalhadas nas estações. A Polícia Militar do Rio de Janeiro também vai atuar dentro das estações, especialmente, nas de maior movimento. Para treinamento das equipes, o MetrôRio realizou três megassimulações.

A companhia destacou que já tem experiência em megaeventos, como o Réveillon de Copacabana, carnaval, a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Segundo a empresa, nos cinco dias da JMJ, cerca de 3,7 milhões de peregrinos usaram o sistema, que funcionou a plena capacidade.

Estação Multimodal do Maracanã será entregue até a Copa, diz secretaria

04/06/2014 - Agência Brasil

A oito dias da Copa do Mundo, o entorno do Estádio do Maracanã recebe os últimos ajustes para a chegada dos torcedores os que vão assistir às sete partidas do torneio disputadas no Rio. Uma das principais reformas previstas para a área é a modernização da Estação Multimodal do Maracanã, que pode ser usada simultaneamente por passageiros do trem e do metrô. Apesar do atraso nas obras, a Secretaria Estadual de Transportes diz que 95% dos trabalhos já foram concluídos.

Com custo total de R$ 178 milhões, a estação, que deveria ter ficado pronta em maio deste ano, será entregue até o início do campeonato, acrescenta a secretaria. Vista como um dos legados da Copa, a estação multimodal, que ocupa uma área de 9 mil metros quadrados (m²), terá cinco plataformas de embarque e desembarque, sete escadas rolantes e cinco elevadores, além de banheiros públicos.

A secretaria informou que a rampa de acesso ao estádio e à vizinha Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) foi totalmente recuperada e facilitará a acessibilidade de pessoas com deficiência, já que conta com elevadores e passarelas. Na sexta-feira (6), às 23h, será içada e montada a nova passarela da estação multimodal e, por isso, serão interditados até domingo (7) trechos da Rua Visconde de Niterói e da Avenida Bartolomeu de Gusmão.

De acordo com a secretaria, a estação multimodal precisou ser reformulada para possibilitar a interligação dos dois sistemas de transporte público (trem e metrô) e melhor atender à população. A secretaria acrescentou que as escadas rolantes estão com 85% das obras avançadas, a estrutura da cobertura, com 95%, e as fachadas, com 50%. As estruturas metálicas já foram concluídas.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Obras de mobilidade urbana no Rio terão financiamento de R$ 2,7 bi do BNDES

03/06/2014 - Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou hoje (3) a aprovação de empréstimo no valor de R$ 2,7 bilhões para obras de melhoria na infraestrutura de mobilidade urbana do  município do Rio de Janeiro.

Os recursos representam 88% dos investimentos totais, de acordo com a assessoria de imprensa do banco. Os projetos englobam  parte do Bus Rapid Train (BRT) Transoeste, o corredor expresso Transolímpica, a ligação BRT Transolímpica-BRT Transbrasil e a duplicação do elevado das Bandeiras.

Também estão incluídas obras nos locais onde serão disputadas provas nas Olimpíadas de 2016, entre as quais o entorno do Parque Olímpico, a Ciclovia Niemeyer, a extensão da Via Expressa do Porto Maravilha e o entorno do estádio Engenhão.

Segundo o BNDES, a estimativa é que, com as obras, sejam criados cerca de 17 mil empregos diretos e indiretos.

Linha 4 do Metrô: Novas intervenções no Leblon começam na próxima terça-feira

03/06/2014 - Jornal do Brasil

Trechos da Avenida Ataulfo de Paiva, entre as ruas General Venâncio Flores e Rita Ludolf, serão ocupados temporariamente por canteiros de obras. Para permitir a passagem do Tunnel Boring Machine (TBM), o 'Tatuzão', por baixo da Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon, será necessário fazer um serviço de tratamento do solo na via. Por isso, a partir da próxima terça-feira, 10 de junho de 2014, trechos da Avenida Ataulfo de Paiva entre as ruas General Venâncio Flores e Rita Ludolf serão ocupados temporariamente por canteiros de obras. O fluxo de veículos pela avenida será preservado. Não haverá alteração de itinerário da linha de ônibus que trafega pelo local.

Nesse período, serão realizados os serviços de Jet Grouting, que consiste em injeções de calda de cimento no subsolo. A previsão é de que esta intervenção seja concluída em dezembro de 2014. Durante a execução dos serviços na Avenida Ataulfo de Paiva, será criado um acesso especial para a garagem que fica na área impactada, evitando o bloqueio total. O fluxo de pedestres no passeio público será mantido e o estacionamento na Avenida Ataulfo de Paiva sofrerá alterações conforme o andamento das obras.

Operadores de tráfego trabalharão na região para orientar condutores e pedestres. As alterações viárias foram definidas em conjunto com a CET-Rio (Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro).

BNDES aprova R$ 2,7 bilhões para projetos de mobilidade urbana no Rio de Janeiro

04/06/2014 - Portal Fator Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 2,7 bilhões ao município do Rio de Janeiro para melhorias na infraestrutura de mobilidade urbana. Os recursos representam 88% do total a ser investido nos projetos, que compreendem o lote zero do BRT Transoeste, a Via Expressa Transolímpica, a ligação BRT Transolímpica-BRT Transbrasil, entorno do Parque Olímpico, duplicação do Elevado das Bandeiras, Ciclovia Niemeyer, extensão da Via Expressa do Porto Maravilha e entorno do Engenhão.

O lote zero do BRT Transoeste prevê a implantação de um corredor exclusivo para ônibus articulados entre o Terminal Alvorada e o Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, com 6,4 km de extensão. Serão construídas sete estações (Barra Shopping, Città/Downtown, Parque das Rosas, Ricardo Marinho, Riviera, Freeway e Porto dos Cabritos), duas pontes sobre o Canal de Marapendi e um viaduto sobre a Rua Armando Lombardi.

O projeto, no qual serão investido aproximadamente R$ 95 milhões, permitirá a integração do BRT Transoeste, que hoje liga Santa Cruz e Campo Grande ao Terminal Alvorada, na Barra, com a estação de metrô da linha 4, que está sendo construída no Jardim Oceânico, possibilitando que a cidade tenha, pela primeira vez, um transporte de passageiros de massa ligando o Centro dos bairros da Barra e do Recreio.

Transolímpica – Com 13 km de extensão e um investimento de cerca de R$ 1,1 bilhão, a Via Expressa Transolímpica ligará a Avenida Brasil, no entroncamento com a Avenida da Equitação, no bairro de Magalhães Bastos, à Estrada dos Bandeirantes, no seu encontro com a Avenida Salvador Allende, no bairro de Curicica. Cruzando os bairros de Camorim, Curicica, Taquara, Jardim Sulacap, Magalhães Bastos e Vila Militar, a via será uma alternativa à Linha Amarela na ligação da Baixada Fluminense e regiões próximas à Avenida Brasil com a Barra.

Parte da via terá faixas exclusivas para ônibus do sistema BRT, com sete estações. O projeto inclui a construção de 26 viadutos e pontes, a maior delas com 220 metros de extensão, e dois túneis que somam 1,5 km, na Serra do Engenho Velho, que faz parte do maciço da Pedra Branca.

Já o projeto de ligação entre os BRTs Transolímpica e Transbrasil terá 3 km de extensão, em duas pistas de pavimento rígido, com duas estações. Estão previstas obras de drenagem, sinalização, iluminação, urbanização, paisagismo e um viaduto com 250 metros de extensão. Serão investidos R$ 100,5 milhões na obra.

No entorno do Parque Olímpico, a Avenida Salvador Allende e parte da Avenida Embaixador Abelardo Bueno, na Barra, serão duplicadas, permitindo a extensão do BRT Transolímpica até a Avenida das Américas e a adequação urbanística no entorno dos locais que serão utilizados durante as Olimpíadas e Paralimpíadas de 2016. As intervenções contemplam drenagem, pavimentação, iluminação, ciclovia e urbanização, além de obras-de-arte especiais (três viadutos e 21 pontes). Os investimentos previstos são de R$ 581 milhões.

Elevado das Bandeiras– O projeto de duplicação consiste na implantação de via paralela ao Elevado das Bandeiras e aos túneis de São Conrado e do Joá, além da construção, por todo o percurso, da Ciclovia Niemeyer, que fará a interligação entre as ciclovias já existentes dos bairros de São Conrado e da Barra.

A nova via, na qual serão investidos R$ 489 milhões, terá 4,46 km de extensão, enquanto a ciclovia, que será construída ao longo da via já existente, para ficar mais próxima ao mar, terá 3,1 km e receberá investimentos de R$ 35 milhões. Porto Maravilha – Com investimentos de R$ 592 milhões, as obras de prolongamento da Via Expressa do Porto abrangem a construção da extensão do túnel, o poço de serviço, a requalificação e ampliação do Mergulhão da Praça XV e a complementação da remoção do elevado da Perimetral.

Conforme previsto no novo traçado da Via Expressa, o túnel será estendido até encontrar o Mergulhão. O traçado volta à superfície aproveitando a rampa de subida do Mergulhão e segue no nível do mar até o encontro com o Aterro do Flamengo. Entorno do Engenhão – O projeto a ser financiado pelo BNDES prevê a revitalização de diversos logradouros no entorno do Estádio Olímpico João Havelange, no Engenho de Dentro, com obras de pavimentação e drenagem, reparos na rede de iluminação pública, execução e recuperação de calçadas e construção de rampas de acessibilidade. Está prevista a abertura de uma nova rua de acesso ao estádio para os veículos vindos da Linha Amarela.

Com investimento total de R$ 123 milhões, as intervenções compreendem ainda a restauração dos galpões da oficina de trens da antiga Rede Ferroviária Federal (RFFSA), para melhorar o acesso à Estação Engenho de Dentro da Supervia, e a construção de uma área adjacente ao estádio destinada ao estacionamento dos caminhões de geração de TV, com segurança reforçada e sistema independente de geração de energia.

Geração de empregos– Durante a execução das obras, estima-se que sejam criados cerca de 17 mil postos de trabalho diretos e indiretos, sendo 10 mil na Transolímpica, 2 mil no BRT Transoeste, 1.290 no entorno do Parque Olímpico, 1.200 na duplicação do Elevado das Bandeiras, 1 mil na ligação entre os BRTs Transolímpica e Transbrasil, 1 mil no entorno do Engenhão, 545 no prolongamento da Via Expressa do Porto e 100 na ciclovia.