quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Mais trens chineses para o Rio

19/08/2013 - Revista Ferroviária

A China fabricará novos trens para o Rio de Janeiro. Desta vez, o contrato foi firmado para a compra de 15 trens para a Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro, que está em construção. O fabricante será a Changchun Railway Vehicles Co. (CNR), fornecedor chinês que produziu os 19 trens adquiridos para a operação das Linhas 1 e 2 do metrô carioca. Os trens começam a chegar no primeiro semestre de 2015 e, após o período de testes, deve entrar em operação em fevereiro de 2016.

Os chineses também estão fornecendo trens para a SuperVia. Primeiro, o governo do Rio comprou 30 trens da CNR, com o primeiro chegando ao solo brasileiro em setembro de 2011, e no passado foi firmado novo acordo para o fornecimento de 60 novos trens.

A Linha 4 do Rio, que ligará a Barra da Tijuca a Ipanema está em obras. O trecho Sul, Ipanema-Gávea, está sendo construído pelo Consórcio Linha 4 Sul, formado pela Odebrecht Infraestrutura (líder), Carioca Engenharia e Queiroz Galvão. Já o trecho Oeste, Gávea-Barra da Tijuca, está sob responsabilidade do Consórcio Rio Barra, formado pela Queiroz Galvão (líder), Odebrecht Infraestrutura, Carioca Engenharia, Cowan e Servix. A previsão é que a linha esteja pronta em 2016.

O custo da implantação da Linha 4 do Metrô é R$ 8,5 bilhões, sendo R$ 7,5 bilhões de obra civil (Estado) e R$ 1 bilhão de sistemas e material rodante (Concessionária Rio Barra). As fontes de financimento do projeto são Agência Francesa de Desenvolvimento, BNDES, Banco do Brasil e Tesouro Estadual.

O Grupo Invepar (controladora da MetroRio) adquiriu, por meio de contrato de outorga de opções de compra e venda de ações da Concessionária Rio Barra, o direito de operação da Linha 4 no final das obras. Dentro desse contrato, a MetroBarra (empresa do Grupo Invepar) assume o investimento de R$ 1 bilhão em sistemas e material rodante, que antes era de responsabilidade da Concessionária Rio Barra. Segundo a assessoria de imprensa da Linha 4, essa negociação foi aprovada pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro e publicada no Diário Oficial do Estado, em 03 de julho deste ano, e também foi aprovada pelo CADE, em 26 de dezembro de 2012.

http://www.revistaferroviaria.com.br...dMateria=19779

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Mais trens chineses para o Rio

19/08/2013 - Revista Ferroviária

A China fabricará novos trens para o Rio de Janeiro. Desta vez, o contrato foi firmado para a compra de 15 trens para a Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro, que está em construção. O fabricante será a Changchun Railway Vehicles Co. (CNR), fornecedor chinês que produziu os 19 trens adquiridos para a operação das Linhas 1 e 2 do metrô carioca.  Os trens começam a chegar no primeiro semestre de 2015 e, após o período de testes, deve entrar em operação em fevereiro de 2016.

Os chineses também estão fornecendo trens para a SuperVia. Primeiro, o governo do Rio comprou 30 trens da CNR, com o primeiro chegando ao solo brasileiro em setembro de 2011, e no passado foi firmado novo acordo para o fornecimento de 60 novos trens.

A Linha 4 do Rio, que ligará a Barra da Tijuca a Ipanema está em obras. O trecho Sul, Ipanema-Gávea, está sendo construído pelo Consórcio Linha 4 Sul, formado pela Odebrecht Infraestrutura (líder), Carioca Engenharia e Queiroz Galvão. Já o trecho Oeste, Gávea-Barra da Tijuca, está sob responsabilidade do Consórcio Rio Barra, formado pela Queiroz Galvão (líder), Odebrecht Infraestrutura, Carioca Engenharia, Cowan e Servix. A previsão é que a linha esteja pronta em 2016.

O custo da implantação da Linha 4 do Metrô  é R$ 8,5 bilhões, sendo R$ 7,5 bilhões de obra civil (Estado) e R$ 1 bilhão de sistemas e material rodante (Concessionária Rio Barra). As fontes de financimento do projeto são Agência Francesa de Desenvolvimento, BNDES, Banco do Brasil e Tesouro Estadual.

O Grupo Invepar (controladora da MetroRio) adquiriu, por meio de contrato de outorga de opções de compra e venda de ações da Concessionária Rio Barra, o direito de operação da Linha 4 no final das obras. Dentro desse contrato, a MetroBarra (empresa do Grupo Invepar) assume o investimento de R$ 1 bilhão em sistemas e material rodante, que antes era de responsabilidade da Concessionária Rio Barra. Segundo a assessoria de imprensa da Linha 4, essa negociação foi aprovada pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro e publicada no Diário Oficial do Estado, em 03 de julho deste ano, e também foi aprovada pelo CADE, em 26 de dezembro de 2012.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Linha 4 do metrô: canteiro de obras é montado dentro de faculdade para minimizar transtornos no trânsito

10/08/2013 - Portal R7

A construção da estação do metrô Gávea começou nesta semana, iniciando a nova etapa das obras da linha 4 do metrô, que vai ligar Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, até Ipanema, zona sul. O canteiro de obras da estação Gávea foi instalado na PUC (Pontifícia Universidade Católica) para evitar transtorno nas ruas do bairro e engarrafamentos no trânsito da região. O final das obras está previsto para dezembro de 2015. A linha 4 deve começar a funcionar até o semestre de 2016, antes das Olimpíadas.

Ainda de acordo com a previsão do Metrô Rio, a linha 4 vai transportar mais de 300 mil pessoas por dia e retirar das ruas cerca de 2.000 veículos por hora — durante o rush. A linha 4 terá seis estações (Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão.

O Metrô Rio divulgou que a estação Gávea terá duas plataformas independente, que no futuro, poderão ser construídas novas linhas que ligue o bairro ao Centro e Tijuca. A nova estação da Gávea terá dois acessos, um em frente à universidade e outro na Avenida Marquês de São Vicente e por dia beneficiará cerca de 19 mil pessoas do bairro.

Durante o período das obras, usuários do estacionamento da PUC poderão usar o sexto e sétimo andares do estacionamento do Shopping da Gávea, mas cadastrados previamente na divisão de parqueamento, dentro do edifício-garagem do shopping. O início dos cadastros está previsto para o próximo dia 12 e basta levar identidade, RG e carteira de identificação da PUC-Rio dentro da validade.

De acordo com o Metrô Rio, os moradores do bairro que quiserem mais infornações sobre as obras podem entrar em contato pelo 0800 021 0620 ou através dos sites www.metrolinha4.com.br e do twitter.com/metrolinha4

Obras na estação Maracanã

13/08/2013 - O Globo

A SuperVia, operadora de trens do Rio de Janeiro, informou nesta segunda-feira (12/08) que a estação Maracanã ficará fechada a partir de sábado (17/08). O motivo do fechamento será a construção de uma nova estação intermodal.

O Governo do Estado do Rio de Janeiro está investindo R$ 175 milhões na obra para unir os serviços dos trens e do metrô em uma única estação. A estação contará com cinco plataformas para embarque e desembarque. As plataformas da SuperVia passarão a receber trens semidiretos dos ramais Santa Cruz e Japeri, além dos trens dos ramais Saracuruna e Belford Roxo. A previsão é que as obras da estação intermodal sejam concluídas no primeiro semestre do ano que vem para atender a demanda da Copa do Mundo de 2014.

domingo, 4 de agosto de 2013

Cabral quer verbas da União na Linha 3 do metrô

05/07/2013 - O Globo

RIO - O governador Sérgio Cabral solicitará ao governo federal semana que vem investimentos diretos da União para a construção da Linha 3 do metrô, que ligará Niterói a Itaboraí, passando por São Gonçalo, uma velha promessa para melhorar os transportes da Região Metropolitana do Rio. Durante evento no Palácio Guanabara ontem, ele anunciou que fará o pedido em reunião, na segunda-feira, com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Segundo Cabral, no encontro ele apresentará um projeto diferente do original, substituindo o metrô tradicional provavelmente por um monotrilho. Com isso, disse, o custo da obra cairia de aproximadamente R$ 4 bilhões para cerca de R$ 2,5 bilhões a R$ 2,8 bilhões.

— Vou pedir tudo (o valor na íntegra) ao governo federal — disse Cabral.

No fim do mês passado, em resposta às manifestações que tomaram o país nas últimas semanas, a presidente Dilma Rousseff prometeu R$ 50 bilhões para resolver gargalos de mobilidade urbana nas metrópoles brasileiras.

Sobre os transportes, tema estopim dos protestos, Cabral citou investimentos que estão sendo feitos pelo governo do estado, como a construção da Linha 4 do metrô e a renovação da frota de trens da SuperVia. E ressaltou que o pedido ao governo federal será de aplicação direta de recursos do Orçamento Geral da União na obra da Linha 3, e não em forma de financiamento.

— Financiamento eu pago — afirmou ele, para depois fazer uma referência ao pronunciamento da presidente, no auge das passeatas, em que ela disse que o dinheiro do governo federal gasto com as arenas de futebol para a Copa do Mundo era fruto de financiamento e que seria devidamente pago pelas empresas e governos que exploram os estádios. — (Essa lógica) vale para o Maracanã. Mas vale também para o metrô, a SuperVia e as barcas.

Governador critica juros

No mesmo evento, Cabral defendeu a redução das dívidas pagas pelos estados à União. O governador disse serem "absurdos" os juros pagos. Apenas este ano, o Rio vai desembolsar R$ 7 bilhões à União, afirmou ele, acrescentando que melhores condições para saldar essas dívidas dariam mais capacidade de investimento aos estados.

As declarações foram dadas após ele ser perguntado sobre o que poderia ser feito para atender às reivindicações que surgiram nos protestos no Rio. Sobre essas manifestações, ele afirmou que denúncias de possíveis abusos cometidos pela PM devem ser investigadas. Cabral lamentou ainda as dez mortes, no último dia 24, no Complexo da Maré, durante uma operação do Bope contra bandidos que tentavam se aproveitar de uma manifestação na Avenida Brasil para praticar assaltos. O conjunto de comunidades, reiterou, será o próximo a receber uma UPP.