quinta-feira, 22 de março de 2012

Trens do metrô no Rio atrasam por falta de luz

16/03/2012 - Folha de São Paulo

Duas estações da linha 1 do metrô do Rio ficaram sem luz no início da tarde desta sexta-feira. A falta de energia fechou bilheterias e interrompeu a circulação dos trens até as estações Cantagalo, em Copacabana, e General Osório, em Ipanema. Ambas na zona sul da cidade.

Os trens circularam até a estacão Siqueira Campos. De acordo com a assessoria do Metrô Rio ainda não se sabe o que causou a queda de energia elétrica.

As estações ficaram sem luz entre 12h45 e 14h10. Às 14h15, as bilheterias foram reabertas e funcionam normalmente neste momento.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Concessionárias acabam com antigo desconto na integração trem-metrô

15/03/2012 - Agência O Globo

No mês, mudança representa um gasto extra de R$ 33

Por Antero Gomes

Rio - O usuário que utiliza o metrô e o trem em passagens integradas pagará 17,85% a mais pelas duas conduções somadas a partir do próximo dia 19. Isso porque as concessionárias SuperVia e Metrô Rio decidiram suspender a "promoção" que mantinham, em conjunto, desde 2000. Não serão mais vendidos tíquetes integração. Em vez de R$ 4,20, o passageiro que usar os dois modais seguidamente, em seus itinerários, pagará o valor cobrado no Bilhete Único estadual: R$ 4,95. Todos os dias são vendidos 70 mil bilhetes integrando as duas conduções.

Entre os motivos alegados pelo Metrô Rio está o fato de haver "vulnerabilidade" no sistema de venda de tíquetes de papel no modelo integração. A empresa não explicou que vulnerabilidade seria essa. Entretanto, a tarifa (R$ 4,20) do bilhete criado em 2000, para combater o crescimento dos ônibus na preferência dos usuários, também vale em cartões do Riocard. Já a SuperVia informou que a adoção do Bilhete Único vai facilitar a obtenção de informações sobre os hábitos dos passageiros.

No mês, mudança representa um gasto extra de R$ 33
Para um passageiro que usa duas vezes por dia o bilhete integração, o custo a mais é considerável. Em 22 dias úteis, os gastos de um trabalhador autônomo com transporte aumentam R$ 33. No caso dos trabalhadores com carteira assinada, os patrões também terão que arcar com um custo maior, já que depositam o montante de passagens, e o funcionário desconta 6% do salário.

A mudança vem sendo mal digerida pelos usuários. O universitário Rogério Figueiredo, de 42 anos, utiliza o serviço do bilhete integração para ir do trabalho, no Estácio, para a faculdade, em Piedade. Isso acontece três vezes por semana. Quando soube que a tarifa de integração acabaria, pediu um cartão do bilhete único municipal. E tomou uma decisão:

- De trem é mais rápido, mas vou passar a utilizar dois ônibus pelo Bilhete Único municipal, pois ficará mais barato. O problema é que, dessa forma, sempre há o perigo de chegar atrasado nas aulas - diz o estudante.

Fonte: Agência O Globo

RJ: Técnicos do Metrô se reúnem com moradores da Zona Sul para apresentação de projeto

15/03/2012 - O Dia Online

A reunião aconteceu na sede do Instituto Estadual do Ambiente (Inea)

Técnicos do projeto da Linha 4 do Metrô (Trecho sul) se encontraram na manhã desta quarta-feira com representantes de associações de moradores da Zona Sul e conselheiros da Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca). A reunião aconteceu na sede do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para discutir detalhes da obra que atenderá a cerca de 300 mil passageiros por dia.
 
Entre os assuntos abordados, estiveram o estudo de demanda feito para identificar a rota que atendesse o maior número de pessoas e as simulações realizadas para garantir o sucesso do empreendimento. Além disso, o secretário de Ambiente, Carlos Minc, destacou a importância da Linha 4 sob o foco ambiental.
 
"Costumamos chamar o Metrô de tatu ecológico do Rio, pois significa menos barulho, menos fumaça, menos engarrafamento e atropelamentos", exemplificou. De acordo com o subsecretário de projetos especiais da Secretaria da Casa Civil, Rodrigo Vieira, aproximadamente 200 técnicos trabalham na concepção do projeto da linha 4 (Trecho sul).
 
Obras e dores de cabeça 
 
As detonações diárias para as obras da Linha 4 do metrô assustam moradores do Pavão-Pavãozinho, onde foram apelidadas de ‘terremotos do Japão’. O DIA mostrou que apartamentos em Ipanema vem sofrendo com abalos e rachaduras após início das explosões, há quatro meses. Na parte alta do morro, os imóveis também têm apresentado fendas em paredes e teto.
 
No quarto do 2º andar da Rua Avestruz, o jornaleiro Ariovaldo dos Santos, 43 anos, ia reformar o imóvel do irmão quando encontrou três rachaduras de ponta a ponta da parede. O rasgo teria surgido há um mês, com as explosões do metrô que vai ligar a Barra da Tijuca à Zona Sul. “Ele queria alugar o quarto, mas como vou colocar alguém com risco de a parede cair? As autoridades vão esperar a tragédia?”, reclamou Ariovaldo.
 
A cabeleireira Vanessa dos Santos, 30, mudou a maneira de andar em casa. Preocupada com a filha de 4 meses, ela não tira os olhos do teto, pois tem despencado reboco com a vibração: “Já acordei e peguei o chão da sala e o sofá cheios de reboco. Na hora que explode, parece terremoto do Japão. A Ester se assusta”.
 
Segundo a Riotrilhos, inspeções rotineiras são realizadas na comunidade. Mas quem tiver reclamações deve se dirigir ao posto de atendimento da obra, na Rua Professor Gastão Bahiana, 31A, em Copacabana. A Riotrilhos promete visitar os prédios de Ipanema amanhã. Sobre as detonações e impacto, afirma que o trabalho é todo monitorado, sem riscos.
 
Quadros e estantes despencam
 
Moradores contam que quadros, estantes e prateleiras têm despencado das paredes. “A estante de carrinhos se soltou em cima da cama do meu filho. Sorte que ele não estava ali”, disse Cristiane Felipe Santiago, 35 anos. “Já perdi dois quadros de meus netos. Vou ter que tirar os enfeites das paredes”, contou a ambulante Severina Santiago, que vive na Av. Pavãozinho. Denúncia de tremores: tel. 2135-2858.
 

quarta-feira, 14 de março de 2012

Metrô do Rio emite R$ 100 milhões em debêntures

14/03/2012 - Abril/Exame

As emissões acontecerão amanhã, dia 14 de março, com prazo de 24 meses

O Conselho de Administração da Concessão Metroviária do Rio de Janeiro aprovou, em reunião realizada no dia 2 de março, a segunda emissão de debêntures não conversíveis em ações. O valor total será de 100 milhões de reais, sendo emitidos dez mil papéis com valor de 10 mil reais cada, conforme mostra comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários.

As emissões acontecerão amanhã, hoje, 14 de março, com prazo de 24 meses. Dessa forma, o vencimento será no dia 14 de março de 2014. Com os recursos, a companhia pretende quitar suas dívidas.

A HSBC Corretora será a responsável pela distribuição pública das debêntures, enquanto o Banco Bradesco será o responsável pela prestação dos serviços de escriturador e banco mandatário. A Pentágono será agente fiduciário e o Pinheiro Neto Advogados, o assessor jurídico da empresa e do coordenador da emissão.

terça-feira, 13 de março de 2012

Governo apresenta projeto da Estação Gávea da Linha 4 do Metrô

12/03/2012 - O Dia Online

A estação será subterrânea e ficará em terreno do Estado, ao lado do prédio da reitoria da PUC


Rio -  Foi apresentado na manhã desta segunda-feira, na Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), na Gávea, Zona Sul do Rio, o projeto básico da estação da Linha 4 que será construída no bairro e que terá capacidade para transportar entre 18 mil e 22 mil passageiros por dia. As obras, que devem começar no segundo semestre, vão interferir no cotidiano da universidade nos próximos anos.

O subsecretário da Casa Civil, Rodrigo Vieira, destacou o clima de entendimento com a universidade como fator importante para a realização do projeto. Na reunião, foram expostas as várias fases e aspectos da obra, como a ocupação temporária de 250 vagas do estacionamento e a realocação da incubadora da Universidade, o Instituto Genesis, que são algumas das preocupações da universidade.

A estação será subterrânea e ficará em terreno do Estado, ao lado do prédio da reitoria da PUC, que atualmente serve de estacionamento para veículos de alunos e funcionários. Haverá dois acessos: um que atenderá diretamente à universidade e outro em frente ao Planetário, próximo à Rua Marquês de São Vicente, destinada aos moradores do bairro. Em ambos, os pontos exatos ainda estão sendo definidos.

O subsecretário afirmou que não haverá, na Gávea, necessidade de fechamento de ruas, apenas adequação viária nessa área do bairro. Rodrigo Vieira também garantiu que um novo prédio para o Instituto Genesis será construído em outro ponto da universidade antes de começar a escavação da estação.

O projeto prevê a remoção e realocação dos pontos de ônibus e táxis da Rua Padre Leonel Franca; a canalização do Rio Rainha; entre outras intervenções. Durante as várias fases da obra da estação, serão removidas temporariamente para outro ponto do bairro 250 vagas do estacionamento da PUC. Com o fim das obras, o estacionamento será totalmente restabelecido.

A Linha 4 do metrô, que ligará a Barra da Tijuca, na Zona Oeste, a Ipanema, na Zona Sul, vai transportar mais de 300 mil pessoas por dia e retirar das ruas cerca de dois mil veículos por hora/pico. Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa. As obras serão concluídas em dezembro de 2015.

terça-feira, 6 de março de 2012

Novos trens do Metrô Rio ligarão Pavuna a Botafogo

06/03/2012 - Correio do Brasil

As novas composições foram desenvolvidas para suportar o calor de 40 do Rio de Janeiro

O Metrô Rio informou na segunda-feira que os usuário da Linha 2 serão os principais beneficiados com os 19 novos trens do Metrô Rio, que representarão um aumento de 63% na frota. Preparados para a operação na superfície, eles contarão com um sistema de ar-condicionado 33% mais potente, que deixarão o ambiente com a temperatura de 23º C. Além disso, as composições terão passagem entre os carros e câmeras de monitoramento, dentre outros itens de última geração. Para propiciar a plena circulação de ar e dos passageiros, os carros serão ligados por meio de gangways, uma espécie de ponte sanfonada.

A primeira das 19 composições já está a caminho do Rio de Janeiro. Embarcada no dia 27 de fevereiro, no porto de Dalian, na China, deverá chegar ao Rio de Janeiro no dia 10 de abril. Em seguida, entrará em fase de testes e começará a operar a partir de agosto. A Concessionária investiu R$ 320 milhões na compra das composições, que elevarão a capacidade de transporte de passageiros para 1,2 milhão/dia.

As novas composições estão sendo montadas pela Changchun Railway Vehicles, que já produziu trens para metrôs da Austrália, Nova Zelândia, Tailândia, Arábia Saudita, Argentina e da própria China. A empresa – que também detém a tecnologia dos trens-bala – fabricou um modelo totalmente adaptado às condições operacionais e climáticas do metrô do Rio de Janeiro, que demandaram quase um ano de estudos e planejamento. Neste momento, o sétimo dos novos trens encontra-se em processo de produção.

Mais conforto
A Linha 2 será a principal beneficiada com a chegada dos novos trens, já que as novas composições estão sendo fabricadas para atender às condições específicas de operação a céu aberto. O forte calor do verão, com temperaturas que chegam a 40º C, reflete-se na brita onde se assentam os trilhos e que chega a temperaturas de mais de 70º C. Nos trens que atualmente operam – preparados apenas para trafegar em túneis – o sistema de refrigeração é inteiramente prejudicado, já que o condensador do ar-condicionado é instalado sob o piso dos carros, próximo ao solo.

Nos novos trens, essa condição não se repetirá. Os condensadores estão instalados no teto das composições, bem longe do calor da brita. Desta forma, a temperatura ambiente será mantida em agradáveis 23ºC. Além disso, o sistema terá capacidade de refrigeração 33% superior à atual. Outra vantagem das novas composições é que tanto a circulação de ar quanto a de passageiros será facilitada pela ligação entre os carros por meio de gangways, uma espécie de ponte sanfonada. Com isso, o passageiro poderá se deslocar dentro da composição como desejar, sem precisar desembarcar.

Em setembro, melhora perceptível no sistema
Segundo o cronograma estabelecido com o fabricante, até o final de abril, mais quatro trens serão embarcados da China para o Rio. E, até o final de setembro, quatro novas composições já estarão integradas ao sistema, trazendo uma melhora perceptível no serviço. Em março de 2013, toda a nova frota estará em atuação.

A previsão é que 19 composições operem na Linha 1 e 28 na Linha 2. Em ambas as linhas os trens terão seis carros. Como resultado direto do aumento do número de composições, os intervalos cairão de seis para quatro minutos nas pontas das linhas e de três para dois minutos no trecho de linha compartilhado (Central/Botafogo). O resultado esperado é uma considerável diminuição na ocupação dos carros, com mais conforto durante os 54 minutos de viagem entre Pavuna e Botafogo.

O Metrô Rio transporta hoje, em média, 700 mil passageiros em dias úteis. Segundo a concessionária, com os novos trens, o objetivo é aumentar a oferta para 1,2 milhão de lugares.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Novos trens do Metrô Rio ligarão Pavuna a Botafogo

05/03/2012 - Agência Rio

O Metrô Rio informou nesta segunda-feira (6) que os usuárioda Linha 2 serão os principais beneficiados com os 19 novos trens do Metrô Rio, que representarão um aumento de 63% na frota. Preparados para a operação na superfície, eles contarão com um sistema de ar-condicionado 33% mais potente, que deixarão o ambiente com a temperatura de 23º C. Além disso, as composições terão passagem entre os carros e câmeras de monitoramento, dentre outros itens de última geração. Para propiciar a plena circulação de ar e dos passageiros, os carros serão ligados por meio de gangways, uma espécie de ponte sanfonada.

A primeira das 19 composições já está a caminho do Rio de Janeiro. Embarcada no dia 27 de fevereiro, no porto de Dalian, na China, deverá chegar ao Rio de Janeiro no dia 10 de abril. Em seguida, entrará em fase de testes e começará a operar a partir de agosto.  A Concessionária investiu R$ 320 milhões na compra das composições, que elevarão a capacidade de transporte de passageiros para 1,2 milhão/dia.

As novas composições estão sendo montadas pela Changchun Railway Vehicles, que já produziu trens para metrôs da Austrália, Nova Zelândia, Tailândia, Arábia Saudita, Argentina e da própria China. A empresa - que também detém a tecnologia dos trens-bala - fabricou um modelo totalmente adaptado às condições operacionais e climáticas do metrô do Rio de Janeiro, que demandaram quase um ano de estudos e planejamento.  Neste momento, o sétimo dos novos trens encontra-se em processo de produção.

Mais conforto

A Linha 2 será a principal beneficiada com a chegada dos novos trens, já que as novas composições estão sendo fabricadas para atender às condições específicas de operação a céu aberto. O forte calor do verão, com temperaturas que chegam a 40º C, reflete-se na brita onde se assentam os trilhos e que chega a temperaturas de mais de 70º C. Nos trens que atualmente operam – preparados apenas para trafegar em túneis – o sistema de refrigeração é inteiramente prejudicado, já que o condensador do ar-condicionado é instalado sob o piso dos carros, próximo ao solo.

Nos novos trens, essa condição não se repetirá. Os condensadores estão instalados no teto das composições, bem longe do calor da brita. Desta forma, a temperatura ambiente será mantida em agradáveis 23ºC. Além disso, o sistema terá capacidade de refrigeração 33% superior à atual. Outra vantagem das novas composições é que tanto a circulação de ar quanto a de passageiros será facilitada pela ligação entre os carros por meio de gangways, uma espécie de ponte sanfonada. Com isso, o passageiro poderá se deslocar dentro da composição como desejar, sem precisar desembarcar.

Em setembro, melhora perceptível no sistema

Segundo o cronograma estabelecido com o fabricante, até o final de abril, mais quatro trens serão embarcados da China para o Rio. E, até o final de setembro, quatro novas composições já estarão integradas ao sistema, trazendo uma melhora perceptível no serviço. Em março de 2013, toda a nova frota estará em atuação.

A previsão é que 19 composições operem na Linha 1 e 28 na Linha 2. Em ambas as linhas os trens terão seis carros. Como resultado direto do aumento do número de composições, os intervalos cairão de seis para quatro minutos nas pontas das linhas e de três para dois minutos no trecho de linha compartilhado (Central/Botafogo). O resultado esperado é uma considerável diminuição na ocupação dos carros, com mais conforto durante os 54 minutos de viagem entre Pavuna e Botafogo.

O Metrô Rio transporta hoje, em média, 700 mil passageiros em dias úteis. Segundo a concessionária, com os novos trens, o objetivo é aumentar a oferta para 1,2 milhão de lugares.

Metrô: esperança que vem da China

04/03/2012 - O Globo

Já está a caminho do Rio, vinda da China, a esperança de dias melhores para os usuários do metrô. No dia 27 de fevereiro, um navio saiu do Porto de Dailan com o primeiro dos 19 novos trens que prometem desafogar a Linha 2. A chegada está prevista para 10 de abril. Neste domingo, o GLOBO mostrou que, para driblar a superlotação, passageiros já estão apelando para um percurso na contramão de seus destinos finais.

A previsão da concessionária é que, em agosto, o novo trem já esteja em funcionamento. A capacidade é de 1.800 passageiros. Em setembro, outros dois entrarão em operação. Até março de 2013, todas as composições chegadas do Oriente já devem estar rodando na cidade.

Os 19 novos trens - com seis vagões cada - foram adquiridos por R$ 350 milhões. A potência do sistema de ar-condicionado é 33% maior do que a das atuais composições, o que promete garantir uma temperatura em torno de 23 graus, mesmo nos dias mais quentes.

No início do ano passado, o governador Sérgio Cabral ameaçou multar a concessionária Metrô Rio por atraso na chegada das novas composições. A empresa, no entanto, afirma que não houve descumprimento do contrato com o estado e que os trens "estão sendo fabricados dentro das mais modernas especificações técnicas, que demandaram quase um ano de estudos".