terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Solução para impasse com TCU pode ser monotrilho na Linha 3 do metrô do Rio

04/01/2011 - Transporte Idéias

Um projeto do governo do estado do Rio de Janeiro para a construção de um monorail (espécie de monotrilho suspenso, que circula por um viaduto) poderá ser a solução para o impasse que envolve a licitação da Linha 3 do metrô (Niterói-São Gonçalo-Itaboraí). A obra é contestada pelo Tribunal de Contas do Estado da União (TCU) desde 2002, devido a possíveis irregularidades em valores dos contratos. As informações são do jornal “O Globo”.

A nova proposta oferece menor custo de implantação, além de tecnologia mais moderna. Com isso, o estado espera o sinal verde para lançar a licitação até o segundo semestre deste ano, já que o objetivo é ter a nova linha funcionando até 2014, ano da Copa do Mundo, que será disputada no Brasil, e dois anos antes dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

O governo também pretende, ao tentar agilizar o processo, evitar perder um convênio de R$ 70 milhões com a União. O valor já foi depositado há dois anos, mas o estado ainda não pôde usá-lo. O secretário estadual de Transportes, Julio Lopes, explicou que o monorail tem maior mobilidade para subidas e descidas, além de permitir a realização de curvas se o traçado precisar ser adaptado. O modelo do Rio deverá ser parecido com o já adotado no Japão, em Osaka e Tóquio.

Lopes também comentou que o governador Sérgio Cabral pediu um estudo detalhado sobre o monotrilho. O secretário estadual de Transportes esteve no fim do ano passado no Japão, com engenheiros, para fazer uma visita técnica ao país. Lopes observou que o monorail tem capacidade para transportar de 30 mil a 40 mil passageiros por hora, e tem um custo aproximadamente 40% mais barato em relação ao metrô comum.

Nenhum comentário:

Postar um comentário