quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Quinze estações entre Niterói e Itaboraí

29/12/2010 - O Dia - Mahomed Saigg

Primeira parada do metrô ficará na Praça Arariboia. Sistema monotrilho usado na Linha 3 será mais leve e rápido.

Rio - O projeto de implantação da Linha 3 do metrô — que vai ligar Niterói a Itaboraí — prevê a construção de 15 estações ao longo do percurso. A principal delas será instalada na Praça Araribóia, no Centro de Niterói. Em Itaboraí, o objetivo é construir uma estação que facilite o acesso ao Complexo Petroquímico (Comperj).
Conforme O DIA noticiou ontem com exclusividade, o sistema da Linha 3 do metrô será operado por modernas composições conhecidas como ‘monorail’ (monotrilhos). Mais rápida e sofisticada, este tipo de composição já é utilizado nos parques da Disney, no Estados Unidos.

Diferentemente dos trens utilizados nas Linhas 1 e 2 do metrô do Rio, que deslizam por trilhos duplos, os monotrilhos, como o próprio nome indica, operam através de apenas um trilho. A diferença, no entanto, não compromete a estabilidade e a segurança dos passageiros.

A principal vantagem da opção por este modelo de transporte sobre trilhos está nos custos da implantação, que correspondem a apenas 30% do valor de uma obra subterrânea.

Enquanto a construção de uma linha de metrô custa, em média, US$ 100 milhões (R$ 168,2 milhões) por quilômetro, a de monotrilho gira em torno de US$ 30 milhões (R$ 50,4 milhões). Com isso, a previsão é de que seja gasto cerca de R$ 1,1 bilhão na construção dos 22 quilômetros da Linha 3.

EXPOSIÇÃO

Na Central do Brasil, o secretário de Transportes, Júlio Lopes, inaugurou ontem a exposição de miniaturas dos novos trens comprados pelo governo do estado para serem operados pela SuperVia. Com ar-condicionado e sistema de som ambiente, os novos trens que começam a ser entregues a partir de maio têm até circuito interno de TV. Ao todo foram compradas 34 novas composições, fabricadas na China.

Foto: Paulo Alvadia / Agência O Dia










.

Monotrilho igual aos da Disney ligará Niterói a Itaboraí

29/12/2010 - O Dia

Governador anuncia início das obras da Linha 3 do metrô para 2012. Sistema sobre elevados utilizará composições mais modernas

Rio - Viajar de metrô com direito a vista panorâmica de todo o percurso. A novidade será um benefício exclusivo dos passageiros da Linha 3 do metrô (Niterói-São Gonçalo-Itaboraí), que após anos de atraso finalmente vai entrar nos trilhos. E no lugar dos tradicionais trens que operam nas Linhas 1 e 2, modernas composições como as instaladas nos parques da Disney, nos Estados Unidos, vão deslizar por viadutos.

Monotrilho instalado em Miami (EUA). Serviço é utilizado principalmente por turistas
Foto: Divulgação

As estruturas serão construídas ao longo do trajeto de 22 quilômetros que vai ligar os municípios de Niterói e Itaboraí, passando por São Gonçalo. “Será um presente para os moradores dessa região”, destacou o governador Sérgio Cabral, que prometeu para o segundo semestre de 2011, o lançamento do novo edital de licitação e o início das obras para 2012.

A expectativa é de que tudo esteja pronto antes da Copa de 2014. “Optamos por este tipo de sistema por ser mais rápido e barato. Além disso, ele é capaz de transportar até 40 mil passageiros por hora, por sentido, que é exatamente a demanda de lá. É perfeito”, afirmou o governador.

Licitado em 2002, o projeto original da Linha 3 não pôde sair do papel por causa de irregularidades detectadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Do modelo antigo, restou apenas o percurso que será mantido, e seguirá a linha férrea que já foi desativada na região.

ÁREAS REURBANIZADAS

Nas áreas que ficarão embaixo dos viadutos, obras de reurbanização serão realizadas pelo governo do estado. Apesar de ainda não ter definido o valor da tarifa, Cabral prometeu não repassar para os usuários as despesas com a implantação do novo sistema. “Se fizesse isso, o preço da passagem seria absurdo”.

Conhecido como ‘monorail’ (monotrilho), o novo sistema de metrô que será adotado na Linha 3 já faz sucesso em vários países. Nos parques da Disney, nos Estados Unidos, eles são usados para encurtar a distância que separa os visitantes das atrações.

350 mil passageiros beneficiados

De acordo com a Secretaria Estadual de Transportes, a construção da Linha 3 do metrô vai beneficiar 350 mil passageiros por dia. Além da comodidade, a redução no tempo de viagem é apontada como uma das principais vantagens para os usuários.

Nos horários de pico, por exemplo, o tempo de deslocamento no trecho Niterói-São Gonçalo, que é de 1h25, não deverá passar de 20 minutos.

A obra de construção da Linha 3 também proporcionará a criação de oito mil novos postos de empregos diretos e indiretos. Ao todo, deverão ser construídas 13 estações de embarque e desembarque. “Mas a responsabilidade pela operação do serviço só será definida através de licitação”, avisou o secretário Régis Fichtner, chefe da Casa Civil.

Ontem, o estado anunciou a compra de mais quatro novos trens chineses que, neste caso, serão entregues à SuperVia. Os outros 30 comprados anteriormente começam a ser entregues em maio.

Punição por demora na entrega de trens

Irritado com a demora na entrega dos 19 novos trens das linhas 1 e 2 do metrô, o governador Sérgio Cabral quer que a concessionária seja multada.

Em ofício encaminhado dia 20 à Agetransp (Agência Reguladora dos Serviços de Transportes do Estado), ele alega que o Metrô Rio descumpriu cláusula do contrato de renovação da concessão. “Lá está escrito que eles deveriam começar a entregar os novos trens a partir de agosto de 2010. Mas, até agora, não chegou nenhum. Essa é uma obrigação deles, por isso estamos pedindo a aplicação da multa”, justificou Cabral.

Em nota, a Agetransp informou que foi aberto um processo que será julgado nas próximas sessões regulatórias da agência.

Procurado por O DIA, o Metrô Rio disse que não vai comentar o assunto. Mas, em agosto, o presidente da concessionária, José Gustavo de Souza, disse que o primeiro dos novos trens só chegará em outubro de 2011.

Reportagem de Mahomed Saigg e Ricardo Rego

http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2010/12/monotrilho_igual_aos_da_disney_ligara_niteroi_a_itaborai_133695.html








.

Valor da passagem sobe com suspensão do cartão integração metrô-ônibus

30/12/2010 - O Dia  - Thiago Feres

Sem aviso, quatro empresas param de aceitar cartões pré-pagos na ligação com Barra e Jacarepaguá

Rio - Sem aviso prévio, quatro empresas de ônibus do consórcio Transcarioca deixaram de aceitar por tempo indeterminado os cartões pré-pagos de integração vendidos nos guichês do metrô para a Barra da Tijuca e Jacarepaguá. A decisão pegou usuários de surpresa e fez o valor total da passagem subir de R$ 3,80 para R$ 5,50.



Passageiros foram pegos de surpresa com a decisão tomada pelas quatro empresas

Foto: Alexandre Brum / Agência O Dia

Ontem, avisos foram anexados nas bilheterias de todas as estações do metrô, e usuários protestaram na Praça General Osório, em Ipanema, ponto de embarque. “Venho da Barra todos os dias para a Zona Sul e fiquei indignado de ser informado pelo cobrador que o meu cartão não seria aceito. Sequer houve comunicado. Absurdo!”, disparou o web designer, Rafael Alfredo, 28.

Por dia, quatro mil passageiros utilizam a integração para a Barra e Jacarepaguá. De acordo com o vice-presidente do Rio Ônibus, Otacílio Monteiro, os coletivos das empresas Real, Redentor, Expresso Barra e Jabour contam com validadores administrados pelo Metrô Rio, que vinham apresentando problemas técnicos. “O sistema segue aceitando RioCard e Bilhete Único, mas estará suspenso para os cartões pré-pagos até encontrarmos uma solução”, disse.

Ontem, o Metrô Rio ressarciu em R$ 3 os usuários que tinham cartões, mas novas vendas foram suspensas. A empresa destacou que a decisão do Rio Ônibus foi unilateral e acionou a Secretaria Municipal de Transportes para providências.

Aplicação de multa não está prevista

Resolução 2028 da Secretaria Municipal de Transportes, de 19 de agosto de 2010, autoriza a integração entre os modais com valor fixado em R$ 3,80. Ontem, a Subsecretaria de Fiscalização de Transporte enviou documento ao consórcio Transcarioca cobrando explicações.

No entanto, não há previsão de aplicação de multa por parte da prefeitura, já que o valor fixado na Resolução continua sendo cobrado com o uso do RioCard e Bilhete Único. O retorno da venda dos cartões depende de acerto entre Metrô Rio e empresa de ônibus.

http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2010/12/valor_da_passagem_sobe_com_suspensao_do_cartao_integracao_metro_onibus_133877.html








.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Secretaria Estadual de Transportes finaliza obras de túnel subterrâneo da Linha 4 do metrô

22/12/2010 - Secretaria de Estado de Transportes 

Mais um grande passo foi dado pela Secretaria Estadual de Transportes para levar o metrô à Barra da Tijuca. Chegaram ao fim nesta terça-feira (21/12), as escavações do túnel de serviço, que dará acesso ao túnel de via, por onde vão passar os trens em direção à Zona Sul. Para o secretário Julio Lopes, esta é uma vitória para o setor de transportes do Rio, que também nesta terça comemora o aniversário de hum ano da estação Ipanema – General Osório, por onde passam mais de 30 mil pessoas todos os dias.

As obras do túnel de serviço serão iniciadas já no dia 03 de janeiro. O Governo do Estado também está empenhado em abrir novas frentes de trabalho, para agilizar o andamento das obras da Linha 4. Em São Conrado, um dos bairros contemplados com parada do metrô, já estão sendo iniciados os trabalhos de implantação de canteiros de obras. Outra novidade é que no dia 24 de janeiro será aberta a licitação para empresas interessadas em realizar o estudo de impacto ambiental do trecho entre Gávea e Ipanema.

- A Linha 4 é uma das prioridades do Governo do Rio. Temos um compromisso com a população e estamos trabalhando para cumpri-lo dentro do prazo. Estamos fechando o ano com um cronograma adiantado. A finalização do túnel de serviço é de enorme importância. A partir daqui, nossos técnicos vão trabalhar diretamente no túnel que dará espaço aos trens – explica o secretário de Transportes, Julio Lopes.

No próximo dia 30, a Linha 4 receberá a visita do alto escalão do Comitê Olímpico Internacional, que acompanhará de perto a evolução das obras, que proporcionarão mobilidade adequada a mais de 230 mil pessoas diariamente.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Ressalvas ao metrô

16/12/2010 - O Globo

Preocupadas com as condições de implantação da Linha 4 do metrô, entidades representativas das zonas Sul e Oeste se uniram para encaminhar uma carta aberta ao governador Sérgio Cabral a fim de manifestar desacordo com duas propostas: a ligação da estação General Osório (da Linha 1) com a futura Estação Jardim Oceânico; e a determinação desta estação como ponto final, descartando a extensão até o Terminal Alvorada.

Assinada por 29 representantes, a maioria de associações de moradores, a carta será protocolada no Palácio Guanabara esta semana, com uma proposta de traçado para a Linha 4 que passa por Jardim Botânico, Humaitá e Laranjeiras antes de encontrar a Linha 1, na Estação Carioca.

O presidente da Associação dos Moradores e Amigos do Tijucamar e Jardim Oceânico (Amar Barra), Luiz Igrejas, mostra-se preocupado com a possibilidade de o ponto final do metrô ficar na vizinhança:

— Eu não quero terminal no Jardim Oceânico, pode até acabar com o bairro. Todos os ônibus de condomínio que seguem para o Centro vão parar lá, além das vans e do BRT. Vai ser horrível.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Estudo ambiental do trecho Gávea-Ipanema do metrô do Rio de Janeiro é lançado

09/12/2010 - Transporte Idéias

O governo do Rio de Janeiro lançou nesta semana licitação para a contratação de uma empresa que vai ficar responsável pelo estudo de impacto ambiental do trecho Gávea-Ipanema do metrô. Os recursos para o projeto são de R$ 1,3 milhão. A informação é do jornal “O Globo”.

De acordo com a publicação, o resultado da licitação está previsto para o fim do mês de janeiro e o estudo vai durar dez meses. Segundo o governo, ainda está sendo decidido o local exato das estações, assim como o traçado, para ser determinado o custo total da obra. O trecho vai ligar a Linha 1 à Linha 4 (Barra-Zona Sul), cujas escavações começaram há três meses.

Os moradores da zona sul da cidade têm demonstrado apreensão com as obras. Eles chegaram a formar um grupo, chamado “O metrô que o Rio precisa”, para discutir o tema. A presidente da Associação de Moradoresdo Leblon, Evelyn Rosenzweig, diz que o projeto deveria ser discutido com a sociedade.