sábado, 29 de maio de 2010

Secretário propõe transformar estações de trem em centros culturais


25/05/2010

Nova movimentação do governo estadual para viabilizar a tão prometida Linha 3 do metrô começou na semana passada com a limpeza da antiga linha férrea entre Niterói e São Gonçalo. Em meio aos trabalhos que visam coibir novas ocupações da linha com moradias, o secretário estadual de Transportes, Sebastião Rodrigues, propôs aproveitar as obras de urbanização previstas no projeto do metrô para transformar as antigas estações de trem dos dois municípios em centros culturais. Inicialmente, Rodrigues acredita que os terminais Barreto e São Gonçalo, ambos tombados, poderiam ser usados para ampliar a oferta cultural nos municípios.

A ideia já havia aparecido em projeto de lei do vereador de São Gonçalo Marlos Costa (PT), que conseguiu em novembro de 2009 transformar em lei a proposta de tombar as estações Porto da Madama, Alcântara e São Gonçalo e de restringir seu uso futuro a fins culturais.

O GLOBO-Niterói visitou cinco das estações que integravam a linha que ficou conhecida como Litoral e ia até Vitória, no Espírito Santo: Barreto e Maruí, em Niterói; e as três estações tombadas no município vizinho. Todas sofrem com lixo no entorno e má conservação.

A estação que já ganhou novo uso com a atividade em torno da Linha 3 foi a de Maruí, no Barreto. A enorme construção, de 1871, tornou-se a base dos trabalhos de limpeza dos trilhos. Quando operava, ela incluía escritórios, sala de espera para os passageiros e uma grande plataforma. 

O Globo

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Estado começa a preparação para a Linha 3 do metrô


sábado, 15 de maio de 2010


A previsão orçamentária do projeto é de R$ 1,2 bilhão e cinco anos é o prazo estimado para entrega. Além de beneficiar 300 mil pessoas, a via também promete revitalizar o município

Foi dada a largada para a tão sonhada construção da Linha 3 do metrô, que unirá Niterói a São Gonçalo e Itaboraí. Obras de capinagem e limpeza dos trilhos já foram iniciadas. O projeto da linha tem previsão orçamentária de R$ 1,2 bilhão de verba e prazo de até cinco anos para a entrega da obra. A perspectiva é de que cerca de 300 mil pessoas sejam beneficiadas. 

Na manhã desta sexta-feira, o secretário estadual de Transportes Sebastião Rodrigues e técnicos da Secretaria estiveram na linha férrea desativada no Barreto fazendo vistorias.  “Essa é uma das maiores metas da Secretaria. Será uma obra integrada entre barcas, ônibus e metrô. Já estamos aguardando a liberação de uma verba inicial de R$ 62,5 milhões do Tribunal de Contas da União (TCU) para execução do projeto executivo do elevado que ligará a Estação de Barreto, em Niterói, a Estação Alcântara, em São Gonçalo, num total de 12 km de linha, e para o início da construção deste trecho”, disse o secretário.
De verba que aguarda liberação do TCU, R$ 50 milhões serão repassados pela União e R$ 12 milhões serão investidos pelo Governo do Estado.

Rodrigues informou, ainda, que um centro cultural poderá ser construído na parte histórica da linha férrea, tombada pelo patrimônio público.

“Iremos revitalizar todo o local. Além da parte cultural, uma ciclovia deverá ser criada embaixo dos trilhos por onde passarão o metrô, já que serão suspensos por uma liga alta que permitirá isso”, garantiu.
O secretário garantiu que a obra seguirá o cronograma, independente da sucessão governamental de outubro.
“Não sei se haverão mudanças, mas acredito que se houver alguma, o novo governante não seria inconsequente de paralisar uma obra que é de vital importância”, refletiu.

A linha 3 terá extensão aproximada de 23 quilômetros, sendo 18,8 quilômetros de vias elevadas e 4,2 quilômetros de vias em superfície. O projeto prevê a construção de 14 estações: Araribóia, Jansen de Mello, Barreto, Neves, Vila Laje, Paraíso, Parada 40, Zé Garoto, Mauá, Antonina, Trindade, Alcântara, Jardim Catarina e Guaxindiba. 

O tempo atual de deslocamento no trecho Niterói-São Gonçalo que é de 1h25, deverá cair para apenas 20 minutos.

Realocamento – Com as obras, uma das maiores preocupações dos moradores do entorno da via serão as desapropriações que ocorrerão no decorrer do prazo. Cerca de cem famílias residentes nas proximidades do Barreto, poderão ter suas casas com intervenções do estado para execução da obra.

“Minha preocupação é que eu pago uma espécie de taxa à Rede Ferroviária mensalmente, uma espécie de aluguel. Para onde eu vou?” questionou o motorista Nilson Trindade dos Santos, de 60 anos, morador a 10 às margens da ferrovia.

O secretário afirmou que esses moradores serão acomodados em outras residências.
“É nosso dever realocar essas famílias para outros locais”, garantiu. (Fluminense)

Estação de metrô Cidade Nova deve ficar pronta até final de junho




Falhas técnicas, atrasos e superlotação. Esses são alguns dos problemas que viraram rotina nas estações de metrô do Rio de Janeiro. Para tentar melhorar o serviço, cerca de 400 operários trabalham nas obras de mais uma estação, a Cidade Nova, que vai nascer na ligação entre as linhas 1 e 2.
Inicialmente prevista para março deste ano, a estação de superfície deve ser entregue à população até o fim de junho. Os tapumes da plataforma serão retirados e o metrô ganhará mais uma parada. O terminal ficará entre as estações de São Cristóvão, ponta da Linha 2, e a Central do Brasil, na Linha 1.
O principal acesso à nova estação será a passarela que já está sobre a Avenida Presidente Vargas, no Centro da cidade. Muito moderna, ela será parte envidraçada e terá escadas rolantes e elevadores, mas o que as pessoas que vão passar por lá querem realmente saber é se o serviço oferecido pelo metrô vai melhorar.
As queixas contra o metrô ganharam força em dezembro do ano passado. Foi quando os trens vindos da Pavuna, Linha 2, puderam continuar pela Linha 1 até Botafogo, na Zona Sul da cidade. A ligação 1A tornou o transporte um caos: superlotação, queixas sobre o ar condicionado e enguiços. Problemas que mancharam a imagem do metrô.
O metrô garante que tudo já está normalizado e que a estação Cidade Nova não bvai mudar nada a rotina de quem usa o sistema, e nem vai acontecer o que os passageiros mais querem: uma redução no tempo entre os trens, que num dia normal, sem enguiços, fica entre 5 minutos e meio a seis minutos.
“Você só consegue diminuir intervalo se você tiver mais trem para botar entre um e outro. E isso só vai ser possível com os novos trens”, disse Joubert Flores, diretor da concessionária Metrô Rio, que aproveitou para falar sobre a chegada de novos vagões: “O primeiro trem, o protótipo, chega no segundo semestre de 2011. E a partir daí você tem dois trens a cada dois meses”.
AtrasosPela manhã, dois problemas interromperam a circulação dos trens na Linha 2 do metrô. Na estação Uruguaiana, no Centro do Rio, a porta de uma das composições não fechou e os passageiros também tiveram que descer. De acordo com o Metrô Rio, por medida de segurança os passageiros foram orientados a desembarcar e o trem foi retirado de circulação.
Mais cedo, por volta das 7h20, ainda segundo a concessionária, na estação Engenheiro Rubens Paiva, uma composição da Linha 2, que seguia no sentido Pavuna, apresentou problema no sistema de ar comprimido. O trem também teve que ser substituído e os passageiros foram retirados da composição. As linhas 1 e 2 ficaram com atraso nos intervalos.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Secretaria de Transportes do Estado começa limpeza na área que abrigará a Linha 3


14/05/2010 - 18h24 - Secretaria de Estado de Transportes

O Secretário estadual de Transportes, Sebastião Rodrigues, acompanhou, na manhã desta sexta-feira (14/05), o início dos trabalhos de limpeza dos 23 km de via férrea que será utilizada para a construção da Linha 3, que ligará Niterói a São Gonçalo.Além de manter a área da via férrea livre de lixo, lama e pedras, a ação também beneficiará a população local que sofreu muito com as chuvas recentes. Durante a vistoria da limpeza, que será finalizada em 40 dias, o secretário ressaltou que esta é uma obra prioritária para sua gestão.
- Para solucionar os problemas de trânsito dessa região não existe outra solução a não ser integrar ônibus, metrô e barcas. Por isso, a construção da Linha 3 é um dos maiores interesses do Governo Estadual e vamos começá-la ainda este ano. Além disso, também vamos investir no aumento da capacidade das barcas para que elas possam suportar o volume de usuários e para que, assim, possamos fazer um trabalho de integração eficiente – explicou Sebastião Rodrigues.
Durante a inspeção o secretário conversou com alguns moradores da região e os tranqüilizou ao garantir que nenhum daqueles que ocupam a faixa de domínio da ferrovia, legalmente ou ilegalmente, serão desamparados.
- O nosso interesse é que as residências no entorno sejam afetadas o mínimo possível. No entanto, as que estão nos terrenos da via férrea terão que ser desocupadas. Já foi feito um estudo que mostra quantas são e estamos analisando as soluções para esses moradores – Tranqüilizou o secretário, acrescentando que antes de começar qualquer obra a população local será avisada.
Sebastião Rodrigues também ressaltou a importância da Linha 3 do metrô para a valorização imobiliária da região. Isso porque os fatores positivos serão muitos, como a urbanização do local, a instalação de ciclovias e as proximidades com o Centro de Niterói e com a Ponte Rio-Niterói.
A Linha 3 será composta de 14 estações que ligarão Niterói a São Gonçalo. O percurso que atualmente é feito em 1h25m no horário do rush será feito em apenas 20 minutos com a nova linha.

Prefeitura de São Gonçalo colabora com a limpeza da Linha 3



18/05/2010 - 16h54 - Secretaria de Estado de Transportes

O secretário estadual de Transportes, Sebastião Rodrigues, fechou, na manhã desta terça-feira (18/05), uma parceria com a prefeitura de São Gonçalo para finalizar a limpeza da Linha 3, que ligará Niterói a São Gonçalo.O secretário explicou para o chefe de gabinete, Eugênio José Silva Abreu, e para o secretário de infra-estrutura urbanismo e habitação de São Gonçalo, Walmir Barros, a importância de uma parceria entre estado e prefeitura.
- Além de mantermos a área dos trilhos limpa, a ação também vai beneficiar a população de São Gonçalo que sofreu muito com as chuvas do mês passado – explica Rodrigues.
De acordo com Abreu, a prefeitura acredita na importância desta ação e autoriza o escoamento do lixo para o aterro sanitário de São Gonçalo.

sábado, 15 de maio de 2010

Escavação da Linha 4 do metrô vai começar

PREPARATIVOS


Publicada em 14/05/2010 às 23h16m
O Globo - 15/05/2010
    RIO - O governador Sérgio Cabral anunciou nesta sexta-feira que a perfuração dos túneis que vão compor a Linha 4 do metrô começará no dia 26 de junho. A obra, que levará esse meio de transporte até a Barra, é um dos compromissos assumidos pelo governo do estado para os Jogos Olímpicos de 2016.
    - Começa a perfuração do túnel da Linha 4. As pessoas vão ver para crer - disse Cabral.
    A garantia do governador coincide com as estimativas da Secretaria de Transportes, que, ao inaugurar em março o canteiro de obras, previu para junho o início das escavações. A Linha 4, com extensão de 15,2 km, ligará o Jardim Oceânico, na Barra, à Gávea, onde os trilhos encontrarão a Linha 1, que será prolongada a partir da Praça General Osório. O trajeto Barra-Zona Sul terá paradas em São Conrado (próximo à Rocinha), Gávea, Leblon e Ipanema, mas a localização das estações está ainda em estudos.
    Segundo as informações divulgadas em março pela secretaria, as obras não terão, pelo menos no início, impacto sobre o trânsito, uma vez que as escavações serão feitas na rocha.
    A estimativa de custo da primeira fase é de R$ 300 milhões, a serem bancados pelo governo do estado. Em abril, o secretário estadual de transportes, Sebastião Rodrigues, e o ministro das Cidades, Márcio Fortes, discutiram a possibilidade de o governo federal financiar a segunda etapa do projeto. A Linha 4 foi licitada em novembro de 1998, mas só saiu do papel com sua inclusão entre os projetos-chave para os Jogos Olímpicos.

    Estrada da Barra da Tijuca tem área de estacionamento fechado para obras da Linha 4 do Metrô




    TRÂNSITO


    11/05/2010 - Prefeitura

    A partir do primeiro minuto de amanhã, quarta-feira, até meia-noite de 25 de junho, a área de estacionamento em frente ao número 750 da Estrada da Barra da Tijuca ficará interditada entre as pontes Nova e Velha para a realização de obras da Linha 4 do Metrô.

    A permissão da Coordenadoria de Regulamentação e Infrações Viárias foi publicada no Diário Oficial do Município.

    quarta-feira, 12 de maio de 2010

    BNDES vai liberar R$ 3,6 bilhões para ferrovias




    11/05/2010

    O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) desembolsará R$ 3,6 bilhões para o setor metroferroviário em 2010. Os montantes são divididos em dois grupos: ferrovia (carga) e metroviário (passageiros).
    Para o transporte ferroviário de carga estão previstos R$ 3 bilhões de investimentos em projetos, dos quais já foram liberados R$ 315 milhões.
    Os desembolsos englobam projetos da ALL, MRS, Transnordestina e Norte-Sul. O BNDES não divulgou os valores que serão repassados para cada projeto e nem os detalhes do investimento. A excessão foi a ALL, que usará a verba na expansão da Ferronorte até Rondonópolis e investirá nas Malhas Sul e Sudeste.
    Já para o setor metroviário o valor total previsto para 2010 é R$ 595,7 milhões, que serão investidos no Metrô de Fortaleza, Metrô do Distrito Federal, Metrô do Rio de Janeiro e Metrô de São Paulo. Já foram liberados R$ 167,4 milhões.
    Para o Metrô de Fortaleza serão desembolsados R$ 13,7 milhões.
    Para o de Brasília o montante será de R$ 168 milhões, sendo que R$ 43,3 milhões já foram desembolsados e outros R$ 124,7 ainda serão liberados. A verba inclui a aquisição de trens.
    O Rio de Janeiro receberá do BNDES R$ 119,6 milhões em dois contratos. O primeiro deles será de R$ 29,7 milhões para o Rio Trilhos, expansão da estação General Osório, consolidação e melhorias operacionais. O segundo desembolso será de R$ 89,9 milhões para a concessionária Metrô Rio, que usará o valor na Linha 1 A, estação Uruguai, entre outros.
    Já o Metrô de São Paulo ficará com a maior fatia dos desembolsos, totalizando R$ 534,4 milhões em dois projetos: Linha 2 – Verde (Vila Madalena - Sacomã)) e 5 Lilás (Capão Redondo – Largo Treze)). Para a expansão da Linha 2, entre o Alto do Ipiranga e a Vila Prudente, o montante é de R$ 136,8 milhões e o Metrô já recebeu R$ 73,5 milhões. Já para a expansão da Linha 5, entre Santo Amaro e Chácara Klabin,  o montante será de R$ 157,6 milhões e ainda será liberado.

    Estrada da Barra da Tijuca tem área de estacionamento fechado para obras da Linha 4 do Metrô


    TRÂNSITO


    11/05/2010 - Prefeitura

    A partir do primeiro minuto de amanhã, quarta-feira, até meia-noite de 25 de junho, a área de estacionamento em frente ao número 750 da Estrada da Barra da Tijuca ficará interditada entre as pontes Nova e Velha para a realização de obras da Linha 4 do Metrô.

    A permissão da Coordenadoria de Regulamentação e Infrações Viárias foi publicada no Diário Oficial do Município.

    sexta-feira, 7 de maio de 2010

    Metrô RJ vai reformar refrigeração de trens



    07/05/2010 - Extra Online

    A concessionária Metrô Rio reformará o sistema de refrigeração dos 17 trens da Linha 2 até o fim do ano. Segundo o termo de ajuste de conduta assinado com o Ministério Público, a concessionária está obrigada a acabar com o sufoco nos vagões. De acordo com o diretor de relações institucionais da empresa, Joubert Flores, os passageiros da Linha 2 sentirão o alívio a partir de dezembro:
    — Vamos melhorar o ar-condicionado. No verão que vem, teremos todos os vagões com compressores re$e novos. Não dá para garantir uma grande melhora na temperatura, mas haverá menos quebras.
    Pelo acordo, a empresa criou um fundo de R$ 1 milhão para ressarcir passageiros prejudicados pelas falhas.
    — Eles também têm que revisar a sinalização e interromper a venda de bilhetes com superlotação. E não poderão anunciar que o serviço melhorou até a chegada dos novos trens, para evitar nova demanda e superlotação. E isso tudo para ontem — diz o promotor Carlos Andresano.

    domingo, 2 de maio de 2010

    Ministro das Cidades e secretário de Transportes debatem metas de construção da Linha 4



    30/04/2010 - 19h17 - Secretaria de Estado de Transportes

    A construção da Linha 4, que vai levar o metrô até a Barra da Tijuca, é prioridade nas agendas de obras dos governos Federal e Estadual. Por orientação do presidente Lula, o ministro das Cidades, Márcio Fortes, se reuniu nesta sexta-feira com o secretário estadual de Transportes, Sebastião Rodrigues, para definir metas da extensão do metrô e coletar novas informações sobre os principais projetos do setor de transportes, com vistas nas Olimpíadas de 2016. Na próxima semana chegará ao Rio a comitiva do COI, que vai checar o andamento geral dos projetos do Estado e da Prefeitura, entre os quais a construção da Linha 4.O secretário Sebastião Rodrigues aproveitou a reunião para explicar ao ministro sobre os benefícios da mudança de trajeto da Linha 4, que deverá atender ao dobro de usuário, passando por Ipanema e Leblon. Também foram discutidas possibilidades da extensão do metrô ser financiada por programas do Governo Federal. A Linha 4 já conta com um investimento de R$ 300 milhões do Governo do Estado para dar início à construção. Segundo os engenheiros responsáveis pela confecção do projeto, a verba é suficiente para o início das obras.
    - A chegada do metrô à Barra da Tijuca está, enfim, se tornando realidade. Nosso objetivo é fazer com que este projeto seja viabilizado o quanto antes. Os estudos provam que as mudanças no trajeto original deverão atender a uma parcela bem maior da população, e ainda contribuir substancialmente para o desenvolvimento do turismo. O metrô para a Barra será um dos principais legados das Olimpíadas e fundamental para a mobilidade das pessoas durante os jogos, por isso, estamos ao lado do Governo do Estado nesta empreitada – disse o ministro das Cidades.
    O encontro foi importante também para a discussão dos avanços em relação à Linha 3 do metrô, que ligará Niterói a São Gonçalo. O ministro contou que está sendo planejada para o início do mês de maio uma reunião entre o presidente Lula e governadores e prefeitos de regiões que receberão os jogos da Copa do Mundo de 2014. Durante o encontro poderão ser debatidas também aplicações de recursos da União em projetos de mobilidade. O Ministério das Cidades já aprovou o aditivo de R$ 62 milhões para a construção da Linha 3, que conta também com uma verba de R$2 milhões do Governo do Estado.
    - É muito satisfatório observar que os frutos do nosso trabalho estão começando a brotar. O Ministério das Cidades é um parceiro fundamental para a viabilização de nossos projetos. Na semana que vem vamos apresentar aos integrantes do Comitê Olímpico parte dos resultados das exigências feitas por eles. Estamos seguros de que os projetos estão avançando dentro do cronograma previsto e que teremos sucesso total na concretização das propostas de melhorias para o campo dos transportes públicos no Rio de Janeiro, que passou por décadas de abando e falta de investimentos – explicou o secretário Sebastião Rodrigues.

    Estação Botafogo inicia fase de modernização



    19/04/2010 - 17h02 - Secretaria de Estado de Transportes

    A partir desta terça-feira (20.04), a estação de metrô Botafogo inicia uma fase de modernização e remodelagem de seus ambientes internos. As reformas vão paralisar por 60 dias a circulação de passageiros pelos acessos Voluntários da Pátria/Nelson Mandela e São Clemente/Praia. Para chegar à estação, os usuários poderão utilizar outros quatro acessos: Muniz Barreto, São Clemente/Humaitá, Voluntários da Pátria e Mena Barreto.Além do processo de modernização, a estação, assim como as outras mais antigas, passará por uma intensa adaptação para acessibilidade. Até o final de ano, a concessionária planeja instalar elevadores e outros equipamentos que facilitem a mobilidade de portadores de necessidades especiais.
    - Esta é apenas uma parte das melhorias pelas quais o sistema passará nos próximos anos. O metrô é um transporte público, e neste conceito estão incluídas as pessoas com dificuldade de deslocamento e necessidades especiais. As novas estações, como General Osório e Cantagalo, já dispõem de elevadores e esteiras rolantes. Agora estamos trabalhando para adaptar as estações mais antigas, inclusive aquelas, como Saens Peña, que contam com equipamentos que transportam cadeiras de roda sobre plataformas móveis, fixadas nas escadas – explica o secretário estadual de Transportes, Sebastião Rodrigues.
    As intervenções na estação Botafogo chegam a R$ 4,9 milhões, e preveem a revitalização total das áreas comuns e bilheterias. A cada dois meses haverá um rodízio de fechamento de acessos, até a conclusão das obras, previstas para daqui a seis meses.